Vida Urbana

UTI do Trauma de João Pessoa tem risco de contaminação por Covid-19, diz CRM

Mesmo sem ser referência, hospital tem recebido infectados. CRM aponta erro em um procedimento.




Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Uma fiscalização realizada pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB), nesta quarta-feira (17), constatou irregularidade que podem aumentar o risco de contaminação pela Covid-19 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. De acordo com a entidade, há falhas nos procedimentos de aspiração traqueal feitos em pacientes internados na UTI e no isolamento de pacientes com suspeitas ou diagnóstico positivo para o novo coronavírus.

Segundo o CRM-PB, a forma como o procedimento está sendo realizado aumenta o risco de contaminação pelo novo coronavírus nos profissionais de saúde que estão tratando os pacientes. “O hospital não realiza a aspiração com sistema fechado, onde um mesmo cateter, mantido protegido, não desconecta o paciente do ventilador. Desta forma, não expõe quem estiver ao redor e diminui o risco de contaminação”, explicou o diretor de Fiscalização do CRM-PB, João Alberto Pessoa.

O CRM também identificou irregularidades quanto ao isolamento adequado de pacientes com sintomas ou diagnóstico positivo para Covid-19 na unidade hospitalar. O Hospital de Trauma não é referência para Covid-19 em João Pessoa, mas recebe e trata pacientes acometidos pela doença. “Não há isolamento adequado para estes pacientes suspeitos e alguns já confirmados. Por isso, essa aspiração não pode ser feita de forma aberta”, afirmou o diretor de fiscalização.

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) solicitou que o CRM-PB verificasse a quantidade de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e de medicamentos, e na fiscalização foi constatada a ausência de alguns medicamentos, como determinados sedativos, mas outras estão sendo usados, sem que haja prejuízo aos pacientes. O estoque é EPIs do hospital é suficiente, conforme o CRM-PB.

Um relatório será produzido pelo CRM-PB e entregue ao MPPB e a equipe técnica da Secretaria de Estado da Saúde (SES), que é responsável pela administração do Hospital de Trauma de João Pessoa, para que a situação seja acompanhada. Ao JORNAL DA PARAÍBA, a assessoria de comunicação da SES informou que ainda não recebeu o relatório da fiscalização do CRM-PB, e que irá emitir um posicionamento oficial após tomar conhecimento das constatações.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.