Vida Urbana

UEPB emite nota repudiando declarações racistas de professora da instituição

Declarações foram destinadas às professoras que venceram consulta pública para reitoria da instituição.




Foto: Divulgação

A Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) emitiu uma nota repudiando as declarações de uma professora da instituição, contra as professoras Célia Regina Diniz e Ivonildes Fonseca, que ficaram em primeiro lugar na consulta pública da para reitoria da UEPB. Em um áudio que está circulando em redes sociais, a professora Francinete Fernandes, do Curso de Pedagogia do Centro de Humanidades (CH), do campus III da instituição, em Guarabira, ‘ataca’ as duas docentes com falas racistas e misóginas.

Para a UEPB, ela “deixou de lado princípios éticos e morais, assumindo atitudes racistas e preconceituosas, proferindo palavras que atacaram a honra das professoras” eleitas,. Ainda de acordo com a UEPB, Francinete Fernandes se referiu de maneira caluniosa à Célia Regina e Ivonildes Fonseca por estar “inconformada” com a decisão da maioria dos técnicos, professores e estudantes no pleito na consulta pública realizada no último dia 21.

“É lamentável que uma professora, de quem mais se espera o zelo por valores como o respeito à democracia e às pessoas, utilize de injúrias para atacar outras colegas docentes pelo simples fato de não aceitar a decisão da maioria da comunidade universitária (..) Por fatos como o ocorrido, percebe-se ainda mais como o racismo é estruturante de todas as desigualdades brasileiras e precisa ser combatido incansavelmente.”, diz a nota.

A professora também se referiu à Reitoria da UEPB, sugerindo haver prática de desvio de dinheiro e partidarização da universidade, bem como prática de crimes em virtude de posturas políticas. A universidade ressaltou, ainda, que as medidas legais cabíveis serão adotadas para tratar a questão no âmbito institucional. A UEPB também ressaltou que o fato serviu para que se debata ainda mais o racismo em todos os segmentos da sociedade brasileira.

“A UEPB valoriza a diversidade, não compactua com o obscurantismo que tenta se impor neste País e entende que a sociedade como um todo precisa repudiar tais práticas antes mencionadas, estimular e fortalecer relações fraternas, solidárias, empáticas e respeitosas em todos os âmbitos da vida social”, concluiu.

A professora Francinete não foi localizada para falar sobre o áudio e também se posicionar a respeito da nota da UEPB;


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.