Vida Urbana

Trânsito fica caótico na Capital e STTrans prevê rodízio de veículos

Perspectiva é de que trânsito fique inviável em 15 anos. Número de automóveis cresceu 103% em 9 anos, contra 18% da população. Não há Plano de Mobilidade.




Jacqueline Santos
Do Jornal da Paraíba

A cidade de João Pessoa não se preparou para absorver o volume de veículos que estão em circulação hoje. Os pontos de congestionamento se multiplicam e os motoristas ficam sem alternativas, a não ser enfrentar um trânsito caótico, que põe fim à paciência de qualquer pessoa.

Especialistas estimam que, se a situação continuar a mesma vista atualmente, em cerca de 15 anos, os pessoenses vão enfrentar a mesma via-crúcis vivenciada em metrópoles como São Paulo, por exemplo.

“Será pior ainda: acordar às 4h para conseguir um trânsito mais tranquilo, passar várias horas para chegar ao trabalho. As autoridades vão ter que recorrer a medidas mais drásticas até mesmo como rodízio de veículos”, prevê Omar Ramalho, diretor de trânsito da Superintendência de Transportes e Trânsito (STTrans).

Nos últimos anos, tem-se observado a implantação de ações pontuais, com a criação de vias alternativas para desafogar os principais corredores da cidade e restrição de faixas exclusivas para ônibus.

No entanto, para o professor do Centro de Tecnologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Nilton Pereira de Andrade, engenheiro e especialista no assunto, os recursos servem apenas como paliativos e não trazem soluções efetivas para o grave problema do trânsito em João Pessoa.

O professor destaca que a falta de um planejamento adequado deixou uma lacuna, em todos esses anos, que somente vai ser preenchida com novos e bem elaborados estudos, estruturados nas necessidades das pessoas, conforme o perfil de cada morador.

Utilizar os corredores de transportes que convergem para o Centro, além das ruas de toda a região central da cidade, principalmente nos horários de pico, tornou-se um desafio para os pessoenses.

Em nove anos, dobrou o número de veículos em circulação em JP

Segundo a STTrans, o aumento no volume de automóveis em circulação em João Pessoa foi de 103% entre janeiro de 2000 e outubro de 2009. Há nove anos, havia 100.427 veículos espalhados na capital, enquanto que no mês passado eram 204.322. No mesmo período, o crescimento da população pessoense foi de 18%.

Em relação às motocicletas, a evolução foi de 347% saltando de 10.438 em 2000 para 46.691 registrados em outubro de 2009. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2000 havia 594.968 pessoas residindo na cidade e em 2009 o número corresponde a 702.235 habitantes. A STTrans informou ainda que o índice de motorização saiu de 16,88 em cada 100 habitantes em 2000 para 29,10 em outubro de 2009.

Plano de mobilidade ainda não tem prazo

O prazo mínimo necessário para que um planejamento que resolvesse o problema fosse posto em prática, de acordo com Andrade, equivale a cinco anos, entre elaboração do projeto, alocação de verba e início das obras.

O Plano de Mobilidade do município, que pretende criar diretrizes de mobilidade e acessibilidade para os pessoenses, estava previsto para ser finalizado no primeiro semestre de 2009. Até novembro, segundo o diretor de trânsito da STTrans Omar Ramalho, não havia perspectiva para sua conclusão.

O projeto está previsto no Plano Diretor de João Pessoa, aprovado pela Câmara dos Vereadores, em dezembro do ano passado. O primeiro Plano de Trânsito de João Pessoa foi formulado em 1985 e com base no documento são elaborados planejamentos que consistem em definir ações a pequeno e médio prazo.

O Ministério das Cidades estabeleceu que todos os municípios com mais de 500 mil habitantes adotem um Plano Diretor de Mobilidade. O Estatuto das Cidades também estipula a adoção de planos semelhantes por cidades com mais de 100 mil habitantes

Leia a reportagem completa do Jornal da Paraíba na edição deste domingo (29).


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.