Vida Urbana

Suspeito de matar travesti confessa crime e diz que foi legítima defesa

Homem foi preso nesta terça (24); crime aconteceu no sábado (21) em João Pessoa.



Walter Paparazzo
Walter Paparazzo
Vandinaldo Rocha do Nascimento, de 47 anos, foi preso na manhã desta terça-feira (24)

O suspeito de matar a travesti Bárbara Mendes no Centro de João Pessoa no último sábado (21) afirmou nesta terça-feira (24) que agiu em legítima defesa, após a vítima supostamente tê-lo tentado assaltar. Vandinaldo Rocha do Nascimento, de 47 anos, foi preso durante a manhã.

Em entrevista ao portal G1 Paraíba, o homem, que disse trabalhar como segurança e taxista, relatou que antes do crime foi abordado por duas travestis fizeram sinal como se quisessem solicitar uma corrida. “Eu pensei que eram duas mulheres, mas eram duas travestis. Botaram uma faca em mim e outra com uma arma na mão. Falaram ‘é um assalto’”, contou.

Ele ainda mencionou que as duas travestis teriam pegado a carteira dele e ido até o cofre do carro. “Quando [ela] foi abrir o cofre, que tirou a atenção de mim, eu dei um só disparo. Peguei meu carro e fui embora. Agi em legítima defesa para não morrer. Eu acho que qualquer um faria isso”, ressaltou Vandinaldo, complementando que não estava fazendo programa com a vítima. “Sou casado, pai de quatro filhos. Bem casado há 17 anos”.

O delegado responsável pelas investigações do caso, Bruno Germano, disse, apesar disso, que testemunhas relataram que viram o homem chegando e chamando a travesti, até que os dois discutiram e ele atirou nela. As testemunhas também afirmaram que o suspeito já tinha saído outras vezes com a vítima.

Vandinaldo disse que demorou a se apresentar à polícia porque não achou que a travesti não tinha morrido. O delegado ouviu a versão do suspeito e explicou que houve confissão durante o depoimento, mas que o homem alegou que foi vítima de assalto. 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.