Vida Urbana

Projeto do parque continua inviável

Degradado pelo acúmulo de lixo durante cinquenta anos, terreno onde ficava o lixão do Róger ainda é inviável para o reflorestamento




Desativado em 2003, o lixão do Róger funcionava em uma área que mede 17 hectares. A intenção da Prefeitura de João Pessoa era transformar o local em um parque ecológico. No entanto, o projeto ainda não foi executado por causa das condições do terreno. De acordo com a secretária executiva de Meio Ambiente de João Pessoa, Wellitânia Freitas dos Anjos, o solo ainda está muito degradado pelo acúmulo de lixo feito ao longo de cinco décadas.

“A princípio, o terreno não tem condições de receber o plantio de mudas, porque o solo ainda está muito degradado, com presença de resíduos sólidos e liberação de gases e chorumes. Em alguns pontos, há até focos de fogos, devido à presença de gases”, explica.

“É preciso esperar que a terra se recupere, mas esse processo é longo e, acredito que teremos que esperar ainda por alguns anos para poder reflorestar aquela área”, completou.

Segundo a secretária, pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) estão fazendo estudos e monitorando a recuperação do terreno. A Secretaria de Meio Ambiente de João Pessoa também acompanha o trabalho, mas ainda não há previsão de quando o local será transformado em parque ambiental.
 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.