Vida Urbana

Procon Estadual notifica 93 estabelecimentos em cinco cidades da PB por aumento abusivo de preços

Ações aconteceram entre os dias 20 e 23 de julho em João Pessoa, Borborema, Dona Inês, Areia e Casserengue.




Procon Estadual notifica 93 estabelecimentos em cinco cidades da PB por aumento abusivo de preços. Foto: Divulgação/Procon-PB

O Procon Estadual notificou 93 estabelecimentos localizados nas cidades de João Pessoa, Borborema, Dona Inês, Areia e Casserengue. A ação foi finalizada nesta quinta-feira (23) com o objetivo de identificar segmentos comerciais como panificadoras, policlínicas, farmácias, atacados, lojas de vestuário e de materiais de construção que estavam sob suspeita da prática de abuso de preços. O balanço foi divulgado nesta sexta-feira (24).

Supermercados e farmácias também foram fiscalizados e obrigados a apresentar notas fiscais dos produtos da cesta básica, álcool em gel e máscaras de proteção. O motivo é a suspeita de aumento injustificado de preços.

De acordo com os fiscais do Procon Estadual, outras infrações encontradas foram ausência de preços original em produtos ofertados e denúncias de consumidores sobre a não entrega ou troca de produtos.

Algumas panificadoras estavam disponibilizando mesas e cadeiras para consumo de produtos no interior do estabelecimento, o que está proibido de acordo com os decretos de flexibilização da quarentena.

Um supermercado foi autuado por expor produtos em oferta sem o preço original, falta do número de telefone e endereço do Procon na nota fiscal e um dos funcionários estava sem máscara no momento da fiscalização.

Para esclarecer dúvidas ou realizar denúncia, o Procon Estadual está disponibilizando o número (83) 98618-8330 para mensagens por aplicativos, além do Disque 151, que é gratuito e funciona de telefone fixo ou de celular. Os canais de atendimento pela internet são o site do Procon Estadual ou as contas nas redes sociais Instagram, Facebook e Twitter.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.