Vida Urbana

Previsão é de mais chuvas em várias regiões do Estado

Prognóstico do Inmet é de que preciptações continuem  ocorrendo. Seridó e Sertão devem registrar chuvas isoladas.




As chuvas registradas desde a véspera do Natal no litoral paraibano e em alguns pontos isolados nas demais regiões do Estado devem se prolongar durante o dia de hoje. A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de que ocorram chuvas de baixa intensidade nas regiões do Litoral, Agreste e Brejo e de precipitações isoladas na regiões do Cariri, Seridó e Sertão.

Em João Pessoa, as chuvas que caíram durante a véspera e madrugada do Dia de Natal registram volume superior à média esperada para todo o mês de dezembro. Segundo os dados parciais e a previsão da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa), as chuvas dos dois últimos dias na capital ultrapassaram em 10% o volume esperado para todo o mês, que era de 36,6 milímetros. Para se ter uma ideia, da manhã do dia 24 até a madrugada do dia 25, choveu o volume de 40,2 milímetros.

Uma grande massa de ar, em rotação, denominada de vórtice ciclônico de alta troposfera foi o fenômeno meteorológico responsável pelas chuvas que caíram durante esses dias na capital e em 57 municípios do Estado. A região que concentrou o maior índice pluviométrico nesses dois dias de chuva foi a faixa litorânea. Entre os municípios que mais registram precipitações foi o de Pitimbu, localizado na região metropolitana de João Pessoa, teve volume de 64,1 mm, sendo, por enquanto, o maior do Estado. Em alguns pontos de Cabedelo, conforme a Aesa, pode ter chovido mais de 50 mm, mas não foi possível quantificar esse volume. Em Campina Grande, as chuvas não foram intensas como na capital, o índice registrado foi de apenas 7,8mm de quinta-feira até ontem pela manhã.

No Brejo paraibano, a cidade de Areia registrou média de 18,8 mm. Já a cidade de Bananeiras teve volume de chuva igual a 17,1 mm. No Agreste, a cidade de Itatuba teve o maior volume de chuvas, com 16,5mm. A região do Cariri também foi favorecida pelas precipitações, a cidade de Monteiro teve o maior volume, com média pluviométrica de 20 mm. Além do município de Sumé com 15,4 mm.
Já em Campina Grande, as chuvas não foram intensas como na capital, o índice registrado foi de apenas 7,8 mm de quinta-feira até ontem pela manhã.

EXPLICAÇÃO
O sistema meteorológico provoca alterações no tempo da região Nordeste do Brasil e surge com frequência, geralmente, no período de verão, já que a estação mais quente do ano na região se iniciou no último dia 21. A tendência é que o sol forte prevaleça em toda a estação, porém o fenômeno é cíclico e pode ainda trazer algumas pancadas de chuva para o Estado, mesmo na época quente e de calor.
Segundo a meteorologista da Aesa Marle Bandeira, o sistema meteorológico pode ao longo dos próximos dias enfraquecer, o que já pôde ser percebido na manhã de ontem, nas principais cidades do Litoral paraibano. “O vértice ciclônico se forma sobre a região Nordeste, o que favoreceu as chuvas dos últimos dias, principalmente na faixa litorânea do Estado. Ele ainda está atuando, mas já enfraqueceu um pouco, porém pode ainda ocorrer algumas chuvas localizadas”, revelou.

Segundo a Aesa, o sistema meteorológico geralmente ocorre no verão, nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro. “É um sistema comum de aparecer na nossa região e vai e volta, ou seja, atua em deslocamento, para outras regiões também”, comentou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.