Vida Urbana

Polícia encontra três corpos carbonizados

Corpos foram encontrados em dois bairros de Campina Grande; Polícia ainda investiga motivações dos crimes.



Leonardo Silva
Leonardo Silva
Corpos encontrados tinham marcas de facadas e de disparos de arma de fogo

A Delegacia de Homicídios de Campina Grande terá uma missão difícil: investigar as relações e a motivação de três assassinatos cercados de mistérios, em que as vítimas tiveram os corpos queimados. Os corpos foram encontrados nos bairros de Bodocongó e Bela Vista. Em um dos casos, as vítimas estavam a menos de 200 metros uma da outra, mas a polícia investiga se elas teriam sido ‘desovadas’ no local.

Na Bela Vista, Railson Ferreira dos Santos, 18 anos, conhecido como ‘Edinho’, bebia com amigos no bairro, foi alvejado a tiros e teve seu corpo carbonizado. Nenhuma testemunha deu maiores informações à polícia sobre o ocorrido. O corpo foi encontrado carbonizado na Travessa Cônego Pequeno, no último domingo.

Segundo o Instituto de Polícia Científica, não foi possível afirmar se a vítima foi queimada viva.

Havia marcas de cinco disparos de arma de fogo, sendo um na mão direita, um no tórax, um no rosto e dois na cabeça. “A perícia ainda não revelou se ele morreu devido aos tiros ou se foi queimado ainda vivo”, explicou o delegado de Homicídios, Francisco de Assis.

A mãe da vítima afirmou à polícia que o filho se envolveu em uma briga com um homem identificado como ‘Junior’. “Ele havia discutido com esse homem no dia anterior e o crime pode ter relação com isso”, afirmou o cabo Santana. O suspeito não foi localizado. Railson Ferreira residia a poucos metros do local do crime, na avenida Rio Branco, também no bairro da Bela Vista.

Já em Bodocongó, as vítimas foram encontradas na tarde de ontem e não chegaram a ser identificadas, até o fechamento desta edição. Os dois corpos tinham marcas de facadas e um deles estava dentro de saco de tecido. Para a polícia, as suspeitas iniciais são de que os dois crimes tenham ligações diretas e podem ter sido motivados pelo tráfico de drogas.

A delegada Maíra Roberta esteve no local e realizou os primeiros levantamentos. Ela preferiu não adiantar detalhes sobre as investigações, mas revelou que as vítimas podem ser moradoras do bairro do Pedregal. “Nesse momento a gente não pode descartar nada. Nem a existência de ligações entre os dois crimes. Vamos aguardar o reconhecimento e os casos serão repassados para a Delegacia de Homicídios”, assinalou Maíra.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.