Vida Urbana

Paraíba termina 2020 com 19 reservatórios em situação crítica

Dados são da Agência Executiva de Gestão das Águas (AESA)




Foto: Arquivo Jornal da Paraíba

A Paraíba terminou 2020 com 19 reservatórios em situação crítica e sem a possível sangria do açude Epitácio Pessoa, localizado no município de Boqueirão. Os dados foram extraídos do site da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), responsável pelo monitoramento de 134 mananciais do estado.

A situação dos açudes paraibanos no fim de 2020 foi melhor do que a apresentada no início do ano, quando 33 reservatórios estavam com menos de 5% do volume hídrico.

Ainda em comparação com o começo de 2020, o saldo é positivo. O total de reservatórios em normalidade, com mais de 20% da capacidade, passou de 53 para 94. Já o número dos que estavam em observação, com menos de 20% do volume hídrico, partiu de 47 para 21.

No entanto, o ano passado começou com um açude sangrando, e terminou sem nenhuma sangria.

Dois mananciais paraibanos estão totalmente secos. Os açudes de São José IV, localizado em São José do Sabugi; e o Manguape, situado em São Sebastião de Lagoa se Roça, não possuem volume hídrico.

Açude de Boqueirão permanece sem sangrar em 2020
Em abril de 2020, com a passagem de três anos do encontro das águas da transposição do Rio São Francisco com o espelho d’água do açude Epitácio Pessoa, as chuvas que caíam na região do Cariri paraibano levantaram a possibilidade de uma sangria do reservatório.

À época, o presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), Porfírio Loureiro, explicou que o açude só sangraria se a intensidade das chuvas do segundo trimestre do ano fossem semelhantes a do primeiro.

Sem chuvas fortes e densas, quando estava com quase 71% de sua capacidade, as compotas do açude de Boqueirão foram abertas após autorização da Agência Nacional de Águas (ANA) em junho. O procedimento fez com que o manancial perdesse volume hídrico ao longo do tempo.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.