Vida Urbana

Operação da PF investiga desvio de malote com R$ 576,3 mil em cédulas 'velhas'

Dinheiro seria transportado para descarte, mas teria sido desviado por funcionários.




Operação Suspectum Mores foi deflagrada nesta sexta-feira (24). Foto: divulgação/PF

A Polícia Federal na Paraíba deflagrou, na manhã desta sexta-feira (24), a Operação Suspectum Mores, com objetivo de dar cumprimento a dois mandados de busca e apreensão em endereços, residenciais e comerciais, de pessoas suspeitas de desviar R$ 576,3 mil em cédulas ‘velhas’, que estariam acomodadas em malotes transportados por empresa de segurança de valores.

Segundo informações da PF, os valores em espécie teriam sumido do envio, através de malotes, enviados por funcionários da Agência da Caixa Econômica Federal, no bairro de Cruz das Armas, em João Pessoa, para uma empresa de transporte de valores, no dia 16 de maio do ano passado.

Segundo informado pela CEF, os valores (cédulas velhas que seriam encaminhadas para descarte) teriam sido lacrados em malotes e recolhidos pelos funcionários da empresa de transporte de valores, sendo que, ao chegar a seu destino, na sede da mesma empresa, quando da abertura dos malotes, verificou-se que o valor contido nos mesmos era expressivamente menor que o valor anotado na guia de transporte correspondente.

Operação

Os citados malotes foram encaminhados à Polícia Federal e posteriormente enviados à perícia. Os investigados são pessoas relacionadas à cadeia de custódia desses valores. Dentre os locais em que a Polícia Federal procedeu buscas na data de hoje estão o endereço residencial de um dos investigados e a própria Agência CEF de Cruz das Armas, de onde o dinheiro teria sumido. Ao todo, 10 policiais participaram das diligências.

O nome da Operação, Suspectum Mores, é uma referência às condições específicas identificadas nesse fato em apuração. A expressão poderia ser traduzida como “Comportamento Suspeito” ou “Conduta Suspeita”.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.