Vida Urbana

Obras e falta de professores atrasam ano letivo da rede estadual

Falta de professores e de infraestrutura adequada têm prejudicado as aulas nas escolas públicas na Paraíba. Em Santo Antônio, alunos do 4º ano estão sem aula.




Camila Alves
Do Jornal da Paraíba

A falta de professores e de infraestrutura adequada têm prejudicado o ano letivo de alunos em várias escolas públicas na Paraíba. Em João Pessoa, na rede municipal, pelo menos três instituições passam por reforma e mesmo dois meses após o início regular das aulas, ainda há turmas que não sabem o que é ir ao colégio. Em se tratando das instituições estaduais, só na área do Conselho Tutelar Norte, que abrange 16 bairros da capital, existem pelos menos 12 delas com déficit de professores.

“Recebemos, constatemente, denúncias de pais insatisfeitos com a falta de funcionários (professores, merendeiras, auxiliares de serviços gerais) nas escolas, o que atrapalha o decorrer das aulas”, contou o conselheiro Sérgio Lucena, citando o exemplo das instituições desembargador Botto de Menezes e Audiocomunicação, no Jardim Treze de Maio, e a padre Hildon Bandeira, no bairro da Torre.

Denúncia

Na manhã desta quarta-feira (6), um pai de aluno da Escola Estadual de Ensino Fundamental Santo Antônio, conhecida como Casa da Criança, no Agreste da Paraíba, informou que os estudantes do 4º ano estão sem aula, desde o início do ano, por falta de professor.

"Me sinto constrangido. Porque meus filhos vêm para estudar e não tem aula. Vai acabar terminando o ano e meus meninos sem estudar. Ou então vão colocar pra ter aula no sábado e domingo", lamentou Luciano de Lima que tem dois filhos no 4º ano. (Inaê Teles)

Sindicato

No último dia 22 de fevereiro, o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação da Paraíba (Sintep-PB) divulgou dados sobre a precariedade de grande parte das escolas do Estado. De acordo com o Sintep-PB, de 1.036 escolas da rede estadual de ensino, cerca de 400 (aproximadamente, 40%) não apresentavam condições de receber os alunos, seja pela falta de funcionários, materiais básicos ou infraestrutura.

Conforme o presidente do Sintep-PB, Antônio Arruda, os dados dizem respeito a um levantamento feito em fevereiro e que ainda não foi atualizado. “Não sabemos como está a situação dessas escolas hoje, já que houve novas contratações. Estaremos reunidos no próximo dia 13 com os diretores das Regionais de Ensino e então teremos mais informações”, declarou Arruda. Na rede municipal, o ano letivo, na maioria das escolas, teve início em 3 de fevereiro, enquanto nas estaduais os alunos voltaram às aulas no dia 14 do mesmo mês.

Uma das instituições que continua sem funcionar é a Escola Municipal Santa Ângela, no bairro do Cristo, na capital. A auxiliar de serviços gerais Edineide Maria da Silva faz parte das turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e denuncia que nenhuma sala iniciou o período letivo. “O prédio está em reforma porque estava todo acabado. Mas já estamos em abril e nada de estudar. Está muito ruim. Tem mãe pedindo a transferência dos filhos por conta da demora”, relatou.

E mesmo em escolas onde já houve o início dos trabalhos, há denúncias de que as aulas estão entrando em recesso por conta de reformas. A informação foi dada pelo conselheiro Rosemberg Marcos, do Conselho Tutelar Sul, responsável por 20 bairros da capital.

Conforme os conselheiros, as queixas que chegam são encaminhadas para a Promotoria de Educação ou oficiadas diretamente à Secretaria de Estado da Educação e Cultura da Paraíba (Seec-PB). A promotora da Educação, Fabiana Lobo, afirmou que não tomou conhecimento de escolas em que ainda não há aulas.

“Estamos sabendo pela imprensa. Já pedi aos Conselhos Tutelares um levantamento sobre essas denúncias, mas ainda não recebi nada. Só chega ao Ministério Público (MP) queixas sobre falta de professores. Nestes casos, oficiamos à secretaria e ela nos retorna informando que a situação foi resolvida”, garantiu a promotora, ressaltando que todas as quartas-feiras o MP realiza fiscalizações em escolas públicas, na capital.

Secretaria de Educação

A assessoria de imprensa da Secretaria de Educação de João Pessoa (Sedec) confirmou que em pelo menos três escolas da rede municipal (dom Marcelo, no Valentina Figueiredo, Santa Emília e Santa Ângela – ambas no Cristo) as aulas ainda não foram iniciadas em virtude de reformas. A assessoria garantiu, contudo, que os alunos não serão prejudicados pelo atraso do calendário letivo e as aulas serão repostas.

Já a assessoria de imprensa da Seec-PB informou que as aulas na maioria das escolas estaduais ocorrem normalmente e que estão suspensas (mesmo que parcialmente) apenas nos colégios que estão passando por obras, mas nenhum aluno será prejudicado. Sobre a falta de professores, a gerente regional da 1ª Região de Ensino do Estado, Uleika Quirino, disse que não faltam professores em nenhuma das 256 escolas da 1ª Regional.
 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.