Vida Urbana

MP da Paraíba adere à campanha internacional de combate à violência contra a mulher

Ação internacional é liderada atualmente pela Organização das Nações Unidas.




O Ministério Público da Paraíba aderiu na tarde desta segunda-feira (26) à campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, uma ação internacional liderada atualmente pela Organização das Nações Unidas, mas que está repercutindo de diferentes formas em várias partes do mundo.

A adesão oficial do MP foi confirmada na tarde desta segunda-feira, em sessão ordinária do Colegiado de Procuradores de Justiça, e em âmbito local ganhou como lema a convocação de “vamos juntos virar esta página!”.

Assim, pelos 16 próximos dias serão realizadas uma série de ações no sentido de conscientizar a população para o tema e para convocar cada vez mais paraibanos a se juntarem ao combate à violência contra a mulher.

Por meio de nota, o Ministério Público da Paraíba lembrou que o laço branco que simboliza a campanha em todo o mundo faz alusão ao “Massacre de Montreal”, quando um homem invadiu uma escola da cidade canadense em 1989 e matou 14 mulheres por causa de motivações misóginas.

E, numa tentativa de alertar que o problema é de todos, e não apenas delas, o MP conclamou os homens a também aderirem à luta pelo fim da violência de gênero. A propósito, o tal laço vai ficar exposto em todos os eventos da campanha ao longo dos 16 dias, e quem deixar sua assinatura nele estará simbolicamente registrando que adere à luta.

No Estado, a mobilização está sendo encabeçada pelo procurador Valberto Lira, do Núcleo de Políticas Públicas do MP paraibano, e vai ter a colaboração direta das promotoras Rosane Araújo e Dulcerita Alves, titular e auxiliar da Promotoria da Mulher; além de Jovana Tabosa, 2ª promotora da Saúde de João Pessoa.

São 16 os temas a serem debatidos de forma mais incisiva neste período, todos ligados ao tema principal da campanha: feminicídio; violências sexual, obstétrica, doméstica, simbólica, institucional, moral, no campo, no trabalho, contra idosas e contra mulheres lésbicas e transsexual; machismo; abandono no cárcere; mulheres infectadas com doenças sexualmente transmissível pelos parceiros; racismo e preconceito e erotização da infância.

Entre os eventos já confirmados pela campanha, destacam-se o 1º Seminário Sobre Violência Doméstica, marcado para os dias 3 e 4 de dezembro; a reunião do Fórum de Combate à Violência Obstétrica, no dia 4 de dezembro; e a reunião do MPPB para discutir o combate à violência doméstica, em 6 de dezembro.

A promessa é que, com a sequência dos debates e da campanha, o MP adote uma agenda ainda mais incisiva em torno deste tipo de discussão.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.