Vida Urbana

Malha viária da PB é considerada quarta melhor do país

Pesquisa avaliou 1.711 quilômetros de rodovias na Paraíba.




A qualidade da malha viária da Paraíba foi considerada a quarta melhor do Brasil e a segunda da região Nordeste pelo terceiro ano consecutivo, segundo dados da pesquisa divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgada nesta terça-feira (7).

A avaliação das rodovias no estado atingiu a média de 56% considerando as classificações boa e ótima. Os números apontam que 23% das vias são avaliadas como ruim ou péssimo e 19% como regulares.

A pesquisa considerou os aspectos de qualidade do asfalto, sinalização, geometria da via e outros detalhes como a presença de estabelecimentos comerciais, postos de combustíveis, unidades de policiamento e outros aspectos. De acordo com a CNT, a Paraíba perde no cenário nacional apenas para os estados de São Paulo (77,8%), Distrito Federal (61,5%) e Alagoas (64,9%).

No cenário regional, a Paraíba também manteve o desempenho ocupando a segunda colocação no ranking dos nove estados do Nordeste. Do total de 1.711 quilômetros de malha viária analisada, 263 foi considerada ótima; 707 boa; 337 regular; 257 ruim e 147 péssimo.

A pesquisa realizada pela CNT tem como objetivo avaliar as características das rodovias pavimentadas brasileiras que afetam, direta ou indiretamente, o desempenho e a segurança aos usuários do sistema rodoviário nacional.

Realidade nacional

Enquanto o estado da Paraíba manteve o desempenho médio comparado ao período de 2016, a pesquisa revelou que no cenário nacional a quantidade de rodovias em estado crítico cresceu. Este ano segundo a CNT, 61% da extensão das rodovias pesquisadas tiveram o estado geral considerado regular, ruim ou péssimo; no ano anterior este número era equivalente a 58% nas mesmas condições. O crescimento crítico da situação nas rodovias segundo a CNT está relacionada a redução dos investimentos em infraestrutura rodoviária.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.