Vida Urbana

Justiça adia julgamento de dois dos três acusados da morte de Vivianny Crisley para 16 de maio

Eles anunciaram troca de advogados no começo do júri popular nesta quarta (28). Vivianny foi morta em 2016.




julgamento caso vivianny crisley

Julgamento do caso Vivianny Crisley acontece no fórum de Santa Rita

Dois dos três acusados da morte da vendedora Vivianny Crisley que deveriam ser julgados nesta quarta-feira (28) tiveram o júri adiado para dia 16 de maio. Fágner das Chagas e Jobson Barbosa da Silva teriam a defesa feita por defensores públicos, mas fizeram uma troca por defensores particulares, que precisam de mais tempo para tomar conhecimento do processo. A mudança foi avisada pouco antes da abertura da sessão do júri. Com isso, apenas Allex Aurélio Tomas dos Santos vai ser julgado neste primeiro momento.

>>> Vivianny foi uma das 90 mulheres vítimas de homicídio em 2016 no estado da Paraíba

O julgamento acontece no Fórum de Santa Rita, na Grande João Pessoa. A sessão estava marcada para começar às 13h, mas começou com pouco mais de uma hora de atraso. Após sorteio, o conselho de sentença foi definido com quatro mulheres e três homens. A juíza que comanda o julgamento é  Lilian Frassinetti Cananéa.

Os três réus respondem por homicídio qualificado,  sequestro, furto e ocultação do cadáver da jovem. Na apresentação da acusação no júri popular, o promotor Márcio Gondim alegou também que Vivianny Crisley teria sido violentada, mas devido ao estado  em que o corpo foi encontrado a perícia não teve como comprovar esse fato.

Allex Aurélio é o único réu julgado nesta quarta

Fórum está lotado para julgamento

 

O Fórum de Santa Rita está lotado para o julgamento do caso. Familiares de Vivianny, ativistas de grupos de defesa da mulher e estudantes de direito acompanham de perto o júri popular.

O Promotor Márcio Gondim disse que considera o adiamento do julgamento de dois dos acusados uma manobra da defesa, mas acredita na condenação de Allex. “Rogamos que a pena do acusado seja superior a 30 anos de cadeia”, defende. A prima da vítima, Williane Freitas, concorda com o promotor, mas disse que acredita na justiça. “A gente vai sofrer mais uns meses para esperar os outros dois assassinos e a gente crê em Deus e na justiça”, garante.

Williane destaca que, para a família, ver as imagens de como Vivianny foi encontrada morta “comove demais”. “Eu não tenho palavras para definir este crime porque foi muito pesado”, avalia.

Já a defesa, feita pela defensora pública Neide Vinagre, alega que não existem provas de que o acusado participou efetivamente do crime. Ela também demonstrou insatisfação com o adiamento do julgamento dos outros réus. Além disso, ela reclama da forma como o cliente está sendo tratado pela promotoria. “Os promotores podem chegar aqui e acusar o réu de facínora, homicida e bandido. Se eu falar qualquer coisa de Vivianny serei julgada”, reclama.

Vítima foi morta depois de sair de bar

 

Vivianny tinha 28 anos quando foi morta. Ela foi vista pela última vez no dia 20 de outubro de 2016, quando saía de um bar na Zona Sul de João Pessoa. O corpo foi encontrado carbonizado no dia 7 de novembro do mesmo ano, em uma mata nos limites dos municípios de Bayeux e Santa Rita.

Veranilde Viana, mãe de Vivianny, diz que seu único desejo é que a justiça seja feita. ” Só espero que eles paguem pelo que fizeram, é só isso mesmo que eu desejo. Quero justiça”, diz.

 

O caso

Na época, os acusados, Allex Aurélio Tomas dos Santos, Fágner das Chagas e Jobson Barbosa da Silva Júnior, alegaram que a vítima foi assassinada “porque gritou”. Segundo eles, o trio conheceu Vivianny na noite do crime.

A vendedora foi morta com vários golpes de chave de fenda e teve o corpo queimado com ajuda de gasolina e um pneu, segundo perícia do Instituto de Polícia Científica (IPC).

Jobson Barbosa da Silva Júnior e Fágner das Chagas Silva foram presos no Rio de Janeiro foram presos em novembro de 2016 no Rio de Janeiro.  Eles apresentaram uma versão contraditória com a que foi relatada por Allex Aurélio, primeiro preso.

Segundo eles, o trio conheceu Vivianny na noite do crime, no bar em que eles estavam e de onde saíram de carro para procurar outro lugar onde encerrar a noite. Mas acabaram indo parar na casa de Juninho, momento em que Vivianny gritou para ir embora.

Juninho e Allex entraram na residência, enquanto Vivianny e Fágner  ficaram dentro do carro. Juninho e Allex voltaram com as chaves de fenda e atacaram Vivianny, tiraram gasolina de uma moto, colocaram um pneu de bicicleta em cima do corpo e atearam fogo.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.