Vida Urbana

IPC se prepara para informatizar a identificação de pessoas

Instalação deverá acontecer na segunda quinzena de setembro. Com o sistema informatizado, o número de golpes será reduzido.




O gerente-executivo de Identificação Criminal do IPC, Israel Aureliano, também concorda que a implantação do sistema informatizado iria reduzir a ocorrência de golpes. No entanto, ele destaca que seria preciso também criar outro sistema, que permitisse aos funcionários do IPC conferir as informações apresentadas nos documentos junto aos cartórios.

Ele explica que alguns estelionatários se utilizam de certidões de nascimento e de casamentos falsas para solicitar a emissão de carteiras de identidade originais. “Na maioria dos casos, esses documentos falsos possuem a informação de que foram expedidos em outros Estados. Quando suspeitamos de alguma coisa, paramos nossos trabalhos para ligar para esses cartórios informados e procurar conferir se o documento é original. Mas nem sempre isso é possível de ser feito”, afirma.

De acordo com o gerente, o banco de dados do IPC só possui dados digitados de identidades emitidas a partir de 1994. “Nos casos em que houver necessidade de conferir a originalidade do RG é preciso acessar no computador o número do documento e, em seguida, irmos ao nosso arquivo e procurar manualmente a ficha da pessoa, para conferir a foto e a assinatura”, explica.

A partir da segunda quinzena de setembro, o IPC deverá iniciar a instalação de um sistema que irá informatizar a identificação das pessoas. A ferramenta terá identificação fotográfica, assinatura digital e marcas de impressões digitais, nos mesmos moldes como ocorre na emissão da carteira de motorista.

Será o primeiro passo para a implantação de um sistema maior, que poderá cruzar dados entre delegacias, cartórios o próprio IPC. “Já existe uma intenção do governo federal em criar um sistema que permita a identificação das pessoas em qualquer parte do país. Mas isso só deverá ocorrer daqui a quatro anos.

Enquanto isso, acredito que um sistema regional, com dados do IPC da Paraíba, já poderia reduzir um pouco a ocorrência de golpes”, observa o delegado Gustavo Carlito.

Diante da situação, o promotor dos Direitos do Cidadão, Valberto Lira, disse que vai realizar uma audiência e convocar representantes das instituições envolvidas para buscar uma solução. “Vamos analisar esse caso e procurar uma alternativa para sanar essa falha, de forma que as pessoas não sejam prejudicadas. Cabe a esses órgãos a função de criar mecanismos que assegure a segurança dos proprietários de imóveis e iremos cobrar essa responsabilidade”, declarou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.