Vida Urbana

Integrantes do MST protestam contra despejo em Santa Rita

Protesto começou às 8h e conta com a participação de 40 famílias.



Divulgação
Divulgação
Famílias começaram a acampar em protesto ao despejo

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), está realizando um protesto desde a manhã desta quarta-feira (27), próximo a uma usina localizada na cidade de Santa Rita, na Grande João Pessoa. De acordo com a coordenação estadual do movimento o protesto começou às 8h e conta com a participação de 40 famílias que foram despejadas de uma propriedade ligada à usina após liminar da Justiça.

Conforme a integrante da coordenação estadual do MST, Adriana Araújo, o ato faz parte da Jornada Nacional de Lutas Contra o Golpe e pela Reforma Agrária. As famílias começaram a acampar próximo a usina São João, por terem sido despejadas da propriedade há dois meses pela Polícia Militar (PM) por meio de uma liminar expedida pelo juiz da Vara Agrária, em João Pessoa. “As famílias moravam na propriedade há três anos e nesse período foram registrados dez despejos com violência”, frisou.

Ainda conforme a integrante da coordenação, o movimento espera que seja marcada uma reunião com o proprietário da usina, o coronel da PM responsável pelos conflitos agrários, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e os integrantes do MST. “A comunidade está acampada às margens da BR-230 e pedimos que seja feita uma reunião para que as famílias voltem a morar na propriedade,” esclareceu.

O advogado do grupo da Usina São João, Felipe Ribeiro, explicou que a propriedade em questão é ligada ao grupo e que o empasse com o MST já dura cerca de dois anos, pelo fato dos integrantes do movimento descumprirem a decisão judicial de reintegração de posse do local. “A área está sendo destinada a investimentos estratégicos para o município e eles estão simplesmente descumprindo a liminar. Eles (os manifestantes) já chegaram a fazer uso da violência por várias vezes, ameaçando os funcionários do grupo com facões, tudo na base da ilegalidade”, afirmou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.