Vida Urbana

Historiador revela “erro histórico” e diz que JP nasceu em novembro

Historiador diz que comemoração do aniversário da cidade de João Pessoa acontece em agosto apenas por causa de um “absurdo histórico".



IHGP
IHGP
Historiador Guilherme D'ávila diz que João Pessoa foi fundada em 4 de novembro de 1895

Phelipe Caldas

A população paraibana comemora nesta quarta-feira, 5 de agosto, o aniversário de 424 anos de fundação de João Pessoa, a terceira cidade mais antiga do Brasil. Mas para o médico e historiador Guilherme D’ávila Lins, imortal da Academia Paraibana de Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, a comemoração do aniversário da cidade acontece em agosto apenas por causa de um “absurdo histórico”. Ele defende que a data correta da fundação de João Pessoa seria 4 de novembro e critica o fato de todos os anos as autoridades e o povo baterem palma para uma “decisão política equivocada”.

Classificando-se como um “apaixonado pela verdade histórica”, ele lamenta que nos primeiros anos do século 20 as autoridades da Paraíba tenham deturpado a verdade e que até hoje ninguém tenha feito nada para restabelecer o que de fato aconteceu no curso da história paraibana. Segundo Guilherme, 5 de agosto tem sim sua importância e não pode perder sua grandeza, mas jamais poderia ter o status de “data suprema” da fundação pessoense.

Ainda de acordo com ele, o 5 de agosto foi “apenas” o Dia da Paz entre os portugueses e os índios Tabajaras, que abriu caminho para a criação de João Pessoa, mas que não representou a fundação em si. “O rei de Portugal tinha dado a ordem para que os portugueses no Brasil expulsassem os franceses do Rio Paraíba, submetessem os Potiguaras e construíssem uma fortificação para dar início à nova cidade. A paz com os Tabajaras (inimigos dos Potiguaras), portanto, foi um importantíssimo passo para a missão, mas não foi jamais a conclusão dela”, destacou, lembrando ainda que 5 de agosto é o dia de Nossa Senhora das Neves e por isso ela virou a padroeira da cidade.

Guilherme explica como se deu aqueles momentos históricos em pleno século 16. A fim de conquistar a Paraíba, o ouvidor-geral da Capitania de Pernambuco, Martim Leitão, percebeu a sinalização de paz feita pelos Tabajaras e enviou uma caravela para dialogar com o líder indígena Piragibe. O comandante da missão era João Tavares, que liderava um grupo formado por oito portugueses e vinte soldados.

“A comitiva chegou na Paraíba e no dia 5 de agosto selou a paz com os Tabajaras. Estava formada a aliança que poderia fazer frente aos franceses e aos Potiguaras”, destaca, lembrando que Tavares tinha a missão secreta de, após selar a paz, analisar possíveis locais para a construção de uma fortificação militar.

Martim Leitão, que segundo Guilherme D’ávila era o único que em nome do rei poderia decretar a fundação da nova cidade, só saiu de Pernambuco para a Paraíba no dia 15 de outubro, chegando à margem direita do Rio Paraíba apenas em 29 de outubro. “A partir da chegada do ouvidor-geral à região é que a cidade poderia ser fundada”, destacou Guilherme, dizendo que isto aconteceu apenas poucos dias depois.

Ele cita inclusive um relatório de 24 capítulos escrito por um jesuíta anônimo, que é classificado por ele como sendo “o documento primordial da conquista da Paraíba” e a “prova cabal” de que João Pessoa foi fundada em 4 de novembro. Eis um trecho do documento: “Com ter visto tudo muito bem e buscando o mato daquele sítio e tudo roçado e limpo, a 4 de novembro de 1585 se marcou o forte de 150 palmos de vão e quadra, com duas guaritas que jogam oito peças grossas uma a revés da outra e alicerces de pedra e cal para cujo princípio se fez de ostra e pedra”.

Guilherme D’ávila completa: “Aquela construção foi fincada no que hoje é o bairro do Varadouro e a partir dali foram se instalando os moradores que deram origem a cidade”.

A paz, contudo, só chegaria 14 anos depois, quando finalmente os portugueses conseguiriam “praticamente dizimar” os Potiguaras. “A conquista e fundação da Paraíba não foi algo simples e pacífico como alguns podem pensar. A situação era tão complicada que, em épocas de guerra contra os índios e já depois da fundação da cidade, ir à margem esquerda do rio era algo impossível”, revela D’ávila. E quando a guerra acabou e a primeira expedição cruzou o rio, em 1599, Frutuoso Batista, segundo governador da capitania da Paraíba, desabafou aliviado: “passamos por terras onde nunca um homem branco pisou antes”.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.