Vida Urbana

Governo altera bandeiras e alerta para risco da volta às aulas presenciais na Paraíba

Projeção da SES vê surgimento de 20 mil novos casos nas faixas etárias de 0 a 19 anos.




A nova avaliação do Plano Novo Normal com a análise situacional da Pandemia da Covid-19 na Paraíba, divulgada na noite deste sábado (3) pelo governo do estado, aponta riscos sanitários no retorno das aulas presenciais. De acordo com a nota técnica da Secretaria de Estado da Saúde (SES), a Paraíba tem mais de 994 mil crianças e adolescentes matriculados nos mais variados ciclos educacionais e a volta às aulas em sala de aula poderia gerar aumentar exponencialmente os casos.

Segundo a nota técnica, o total de estudantes, segundo o documento, representa 24,63% da população do Estado estimada para 2020. Destes, 81,52% são estudantes da rede pública e 18,48% da rede privada de ensino. As projeções e análise de riscos apontam que pode-se obter crescimento médio do número de casos nas faixas etárias escolares da ordem de um pouco mais de 250%. Isto representaria cerca de 20 mil novos casos nas faixas etárias de 0 a 19 anos entre outubro de 2020 e fevereiro de 2021.

O secretário executivo de Gestão de Redes de Saúde, Daniel Beltrammi, ressalta que as crianças, ao contrário do que se propala, não são imunes à Covid-19, pelo contrário, também estão expostas aos riscos de manifestações graves da doença, como recentemente visto na Síndrome Inflamatória Multissistêmica da Pediatria (SIM-P). “Na Paraíba já são 7 os casos confirmados de SIMP, estando outros 5 casos suspeitos em investigação”, afirmou o secretário.

Em João Pessoa, o prefeito Luciano Cartaxo (PV) autorizou o retorno gradual do alunos dos ensino superior e médio a partir desta segunda-feira. Já em Campina Grande, as aulas presenciais estão liberadas para todos os estudantes, desde que sigam os protocolos de sanitização.

 

Novas bandeiras

 

A análise da 9ª avaliação do Plano Novo Normal aponta que parte significativa dos municípios que se encontravam em bandeira amarela na 8ª avaliação permanece nessa condição, representando 81% dos municípios paraibanos. Constatam-se transições de algumas bandeiras para a amarela, sendo nove municípios regredindo da bandeira verde. Outros nove municípios migraram da bandeira amarela para a laranja, tendo elevação de 14% dos municípios paraibanos.

Outros seis municípios saíram da bandeira amarela para a verde, que teve sua participação reduzida para 5% das cidades. A nova classificação é válida a partir desta segunda-feira (5).

Daniel Beltrammi explica que para a classificação das bandeiras o Gabinete de Crise Covid-19 utiliza quatro indicadores: taxa de progressão de casos novos, taxa de letalidade observada, taxa de ocupação hospitalar em UTI  e taxa de obediência ao isolamento social. “Além disso é considerada a taxa de transmissão do vírus calculado pela Fiocruz e o percentual de imunidade populacional, o R hoje é de 1,1 e a taxa de imunização da população atingiu 17%”, esclareceu.

Beltrammi destaca a importância da ampla divulgação das medidas não farmacológicas de combate à Covid-19, a serem praticadas todos os dias por toda população paraibana, que são as ações que mais salvam vidas em todo mundo. “Sabe-se que as mais eficazes medidas protetivas da população são o uso ostensivo de máscaras, a lavagem das mãos e a manutenção do distanciamento social o quanto possível”, observou.

O Documento reforça ainda que toda e qualquer retomada de atividades rotineiras deve ocorrer, preferencialmente, em atenção aos riscos apontados pelo Plano Novo Normal, por meio de suas bandeiras, e aos protocolos definidos pelas autoridades sanitárias competentes. Neste sentido a Secretaria de Estado da Saúde disponibiliza um importante conjunto de protocolos em seu portal a respeito da Covid-19.

 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.