Vida Urbana

Morte de Gabriel Diniz: condições meteorológicas e erro do piloto levaram à queda de avião, diz FAB

Relatório foi publicado nesta quinta-feira (29).




Foto: Reprodução/Facebook

A queda do avião que causou a morte do cantor Gabriel Diniz foi provocada por condições meteorológicas adversas, atitude e indisciplina de voo do piloto. A conclusão foi do relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da FAB, divulgado nesta quinta-feira (29).

Além do cantor, também morreram no acidente os pilotos Linaldo Xavier e Abraão Farias. Os profissionais, segundo o Cenipa, tomaram atitudes consideradas erradas durante a operação da aeronave Piper Cherokee PT-KLO. De acordo com o relatório, o piloto não avaliou adequadamente os parâmetros para a operação da aeronave com a decisão do prosseguimento do voo em condições meteorológicas desfavoráveis.

No dia 27 de maio de 2019, a aeronave caiu no Povoado Porto do Mato, no município de Estância, em Sergipe.

Veja fatores que contribuíram para o acidente, segundo o Cenipa:

  • Atitude
  • Condições meteorológicas adversas
  • Indisciplina de voo
  • Julgamento de pilotagem
  • Planejamento de voo
  • Processo decisório

Segundo o documento, a aeronave foi fabricada em 1974 e não estava equipada com radar meteorológico e não era certificada para voar sob Regras de Voo por Instrumentos (IFR), sendo autorizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) operar sem Condições de Voo Visual (VMC).

O piloto Linaldo Xavier estava com a habilitação de Avião Monomotor Terrestre (MNTE) válida. Ele tinha 83h50m de experiência de voo e possuía licença de Piloto Privado – Avião (PPR), em curso realizado no Aeroclube de Alagoas, em 2017. Ele estava somente qualificado para realizar o voo em rota em condições estritamente visuais. A investigação entendeu que “não considerar os procedimentos previstos para se manter em condições de voo visuais concorreu para a exposição da aeronave a elevado risco de acidente” contribuiu para a queda da aeronave.

Avião que caiu com Gabriel Diniz era de propriedade do Aeroclube de Alagoas — Foto: Iata Andeson Brandão Alves/Arquivo Pessoal

Tragédia

O cantor Gabriel Diniz, que era radicado na Paraíba e conhecido pelo hit “Jenifer”, e os pilotos do aeroclube Linaldo Xavier e Abraão Farias morreram na queda do avião de pequeno porte no povoado Porto do Mato, em Estância (SE), no dia 27 de maio de 2019. Após investigações, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concluiu que avião realizava táxi aéreo de forma ilegal e autuou o Aeroclube de Alagoas, proprietário da aeronave.

Após mais de um ano e sucessivos pedidos de adiamento de prazo à Justiça, a Polícia Federal ainda não concluiu a investigação sobre o acidente aéreo pois, de acordo com o delegado da PF em Sergipe, Márcio Alberto Gomes Silva, responsável pelo inquérito, ainda eram aguardados laudos periciais elaborados pelo Cenipa e pelo Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal.

GD começou em João Pessoa

O músico iniciou a carreira em João Pessoa, com a ‘Banda Garagem’. Pouco tempo depois, conciliando os estudos na Universidade de Engenharia com a música, GD, como também era conhecido, foi convidado para um projeto ainda maior, com a banda de ‘Capim com Mel’, em Recife. Mas a carreira estourou com a música ‘Jenifer’, que se tornou um hit do verão de 2019.

Mais adiante alçou carreira solo com o projeto ‘Gabriel Diniz na Farra’, em parceria com a Luan Promoções e Eventos – maior empresa do segmento de produção, promoção e gerenciamento da carreira de artistas de vários gêneros musicais no país – empresa responsável por grupos e atrações como: Wesley Safadão e Garota Safada, Magníficos, Luan Santana, Zezé di Camargo e Luciano, Bruno e Marrone, Geraldinho Lins, Arreio de Ouro e várias outras que viajam levando boa música aos eventos do país.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.