Vida Urbana

Escolas públicas da Paraíba têm Ideb do Ensino Médio estagnado há uma década

Índice mede qualidade da educação; marca passou de 2,9 em 2007 para 3,1 em 2017.




O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Ensino Médio das escolas públicas da Paraíba ficou praticamente estagnado em um período de dez anos, conforme dados divulgados pelo Ministério da Educação (MEC) nesta segunda-feira (3). O Ideb é o principal indicador de qualidade da educação básica, formado pelo Saeb (prova de português e matemática aplicada a cada dois anos) e pelo fluxo escolar (taxa de aprovação/reprovação/abandono dos alunos).

Conforme os resultados, considerando o Ensino Médio, o índice das escolas públicas na Paraíba passou de 2,9 em 2007 para 3,1 em 2017. A projeção do ministério para o ensino médio público era de índice 4,0 em 2017; em 2019, as escolas devem atingir o índice de 4,2 para atingir a meta.

O crescimento foi maior, mas ainda abaixo da meta, na avaliação dos anos finais do Ensino Funtamental. Em 2007, o índice em escolas públicas era de 2,8; em 2017, a marca alcançada foi de 3,6. Apesar disso, o MEC projetava um índice de 4,0 em 2017. As escolas públicas precisam alcançar a nota de 4,2 em 2019 para alcançar a meta do Ideb.

O sistema de educação público da Paraíba conseguiu alcançar a meta do Ideb apenas na faixa dos anos iniciais do Ensino Fundamental. A projeção do ministério era de 4,4; marca batida pelas escolas paraibanas, que alcançaram um índice de 4,7. Em 2007, o Ideb desta faixa era de 3,3.

A Secretaria de Estado da Educação (SEE) contestou os resultados do Ideb por meio de nota. Segundo o secretário Aléssio Trindade, os dados “não refletem de forma fidedigna a realidade da Educação Básica da Paraíba, sobretudo no desenvolvimento do Ensino Médio”. Trindade ressaltou, ainda, que a Paraíba tem um sistema próprio de avaliação, o Idepb, articulado com um processo de ações e melhorias das escolas, como os prêmios Mestres da Educação e Escola de Valor.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.