Vida Urbana

Donos de postos de combustíveis divulgam nota de repúdio ao MP e PF

No documento, sindicato acusa Polícia e Ministério Público de "espalharam terror e medo, numa inequívoca demonstração de abuso de poder".




Da Redação

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado da Paraíba (Sindipetro/Paraíba), enviou nota à imprensa repudiando fatos ocorridos durante recente fiscalização do Ministério Público e outros órgãos em postos de combustíveis de João Pessoa. No documento, o sindicato acusa a Polícia Federal e o Ministério Público de "espalharam terror e medo, numa clara demonstração de exacerbação de competência e inequívoca demonstração de abuso de poder".

Veja nota na íntegra abaixo:

Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado da Paraíba

NOTA DE REPÚDIO

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado da Paraíba (Sindipetro/Paraíba), entidade representativa dos interesses da revenda de derivados do petróleo, combustíveis automotivos, etanol, gás natural veicular (GNV), lubrificantes automotivos, lavagens de veículos e gás liquefeito (GLP) na Paraíba, vem a público manifestar a mais profunda indignação pelos fatos ocorridos durante recente fiscalização do Ministério Público e outros órgãos em estabelecimentos comerciais de João Pessoa.

O sindicato pontifica o comportamento descortês dispensado aos clientes, funcionários e proprietários dos estabelecimentos fiscalizados pela denominada “força tarefa”, registrando o comportamento açodado e pouco republicano com que integrantes da Polícia Federal atuaram nesses episódios. Com armas em punho e giroflex dos veículos ligados, os ilustres representantes da referida fiscalização espalharam terror e medo, típica de ação contra legen, numa clara demonstração de exacerbação de competência e inequívoca demonstração de abuso de poder.

A entidade salienta que não se opõe a qualquer tipo de fiscalização, desde que se respeite o Estado Democrático de Direito ao qual estamos fundados e estabelecidos, conforme a Carta Magna de 1988. Doravante, é imperativo aferir a disposição de diálogo da categoria para com os diversos atores, tanto é assim que tem sido parceira do Ministério Público, PROCON e os mais diferentes órgãos, a exemplo de recente Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que unificou os preços dos combustíveis pagos pelos consumidores no cartão e em dinheiro.

Por fim, o Sindipetro/Paraíba lamenta veementemente os fatos relatados, esperando mais respeito e reconhecimento com o segmento que responde por expressiva fatia de arrecadação de ICMS, sendo agente ativo na geração de muitos empregos e protagonista da circulação de bens e serviços, com destaque para movimentação da economia.

Nós revendedores de derivados do petróleo, combustíveis automotivos, etanol combustíveis, gás natural veicular (GNV), lubrificantes automotivos, lavagens de veículos e gás liquefeito (GLP) na Paraíba representamos orgulhosamente esse setor da economia nacional, daí a espera recíproca do devido respeito das autoridades para continuar a sublime missão de contribuir com uma Paraíba e um Brasil ainda melhor, mais digno e com direitos e oportunidades iguais para todos.

João Pessoa, 20 de dezembro de 2010.

A DIRETORIA


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.