Vida Urbana

Doméstica pode ter sido morta por envolvimento com o tráfico

Adolescentes suspeitos de ter assassinado a doméstica, informaram que ela tinha uma dívida com um traficante.




As primeiras investigações da polícia sobre o estupro e assassinato da empregada doméstica Nelma Maria Alves de Souza, 31 anos, apontam um suposto envolvimento da vítima com o tráfico de drogas na área do bairro de Bodocongó, em Campina Grande, onde ocorreu o crime na última quarta-feira. A suspeita foi levantada depois dos depoimentos dos dois adolescentes que foram apreendidos na última sexta-feira e disseram que a vítima estaria devendo uma quantia relativa a meio quilo de maconha.

A Polícia Civil informou que não descarta a possibilidade da participação de mais uma pessoa no crime e seria um maior de idade que está sendo procurado. Também está sendo investigado se o crime foi encomendado de dentro do presídio do Serrotão, em Campina Grande, por traficante com quem a vítima adquiriu a dívida.

O comandante do 2º Batalhão da Polícia Militar de Campina Grande, Souza Neto, disse que a vítima devia meio quilo de maconha e que por isso foi morta pelos adolescentes, que trabalhavam como “aviõezinhos” do tráfico. Ele ainda acrescentou que a vítima sabia de tudo que ia acontecer. “Ela devia meio quilo de maconha e pagou a dívida com a vida, como funciona no tráfico. Quem levou ela para o chamado “cheiro do queijo” foi a amiga, que já se apresentou à Polícia Civil”, disse o comandante.

De acordo com o comandante Souza Neto, por volta das 19h da última sexta-feira, um dos adolescentes foi apreendido numa residência no bairro Santa Rosa e o outro no loteamento Grande Campina, no bairro Bodocongó. Os adolescentes, um com 16 e outro com 17 anos, se juntaram depois que um deles raptou a vítima. “De posse das informações passadas pela madrasta de um dos jovens, reuni minha guarnição e mais duas equipes do Serviço de Inteligência e conseguimos apreender os jovens, que confessaram a participação no crime”, contou Souza Neto.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.