Vida Urbana

Corpo da jornalista Karina Oliveira é sepultado em Campina Grande

Ela estava internada no Hospital das Clínicas da cidade e morreu em decorrência da Covid-19.




Foto: Arquivo Pessoal/Astrogildo Pereira

Foi sepultado na tarde desta quarta-feira (9), o corpo da jornalista Karina Oliveira, que morreu em Campina Grande após contrair a Covid-19. Ela estava internada no Hospital das Clínicas se tratando a doença, mas não resistiu e morreu na madrugada de hoje.

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), onde a morte de Karina Araújo foi incluída como sendo de Covid-19, a jornalista sentiu os primeiros sintomas da doença no último dia 25 de agosto, há duas semanas. Ela não tinha doenças pré-existentes e, portanto, não fazia parte de grupos de risco para o coronavírus.

Karina tinha 48 anos de idade e atuava como assessora de imprensa no Cedmex de Campina Grande, e como produtora de TV em uma emissora local. Como repórter, Karina passou pelo JORNAL DA PARAÍBA, atuando também como assessora de imprensa 3ª Gerência Regional de Saúde da cidade e pela Polícia Militar.

Um cortejo levou o corpo da jornalista do Hospital das Clínicas ao cemitério Campo Santo Parque da Paz, passando pelo bairro da Liberdade, onde ela morava, e pelas principais ruas de Campina Grande. A cerimônia reuniu amigos e familiares de Karina.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde lamentou o falecimento precoce da jornalista. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também demonstrou pesar pela morte de Karina Araújo, reconhecendo o trabalho da profissional de imprensa. A Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), onde ela atuou como professora no Departamento de Comunicação Social, também se solidarizou com a família.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.