Vida Urbana

Cooperativismo de crédito cresce 39% na Paraíba

Balanço da Organização das Cooperativas Brasileiras na Paraíba (OCB-PB) revela cenário positivo.




O sistema cooperativo de crédito na Paraíba cresceu 39% em todo o estado ultrapassando o número de 44,3 mil associados, conforme o último relatório divulgado pela Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado da Paraíba (OCB-PB). O aumento tem com base o número de cooperados no ano de 2013, quando as cooperativas registraram 31.810 mil sócios, comparado ao ano de 2016, período referente ao último relatório que apontou o registro de 44.390 sócios.

Durante o período também foi registrado crescimento no número de cooperativas. Em 2013 conforme os dados da OCB-PB, 17  cooperativas atuavam no estado no ramo do crédito, enquanto que em 2016 o número subiu para 19. O presidente da OCB, André Pacelli, explica que o crescimento registrado é resultado do modelo de crédito trabalhado pelas cooperativas. “As cooperativas de crédito estão operando em vários segmentos atualmente e isso ao longo dos últimos anos tornou-se um ponto positivo para atração de novos cooperados. O segmento cresce hoje como uma alternativa dentro do mercado e tem demonstrado resultados positivos, inclusive, no sentido de superação no cenário da economia”, disse.

Além da diversidade no desenvolvimento das operações, André Pacelli, explica que o modelo de investimento valorizando a realidade local favorece o contexto de fortalecimento da economia. “O modelo cooperativista valoriza sua área de origem, isso porque o lucro conquistado em determinada área de atuação permanece concentrado para dar continuidade ao trabalho de crescimento em prioridade dos cooperados da região. Em outras situações, a exemplo do que existe no mercado tradicional das instituições financeiras, esse lucro seria distribuído para fora do contexto regional”, ressaltou.

Segurança no investimento

O presidente da OCB-PB enfatizou também que a aplicação de investimento no cooperativismo é uma ação segura. “Havia uma preocupação no passado sobre a  segurança dos recursos, mas hoje existe o Fgcoop, que trata-se do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito criado pelo Banco Central em entendimento com as cooperativas. Todo associado hoje tem essa segurança de operação pelo Banco Central, portanto, é um aplicação segura”, concluiu André Pacelli.

No ramo de crédito, as operações são lideradas na Paraíba pelos sistemas Sicoob e Sicredi. Em 2017, o sistema Sicredi distribuiu em sua rede, que inclui o total de quatro cooperativas na Paraíba, o valor de R$ 78,1 milhões como resultado. Desse total, R$ 44 milhões corresponde ao serviço da Sicredi João Pessoa. Segundo o diretor executivo da cooperativa, Paulo Valério, o valor positivo reflete o trabalho de seriedade construído pela rede ao longo dos últimos anos. “A parte principal de nossa atuação se concentra no contexto da comunidade, o investimento aplicado aqui fica na cidade e retorna para o cooperado colaborador. Isso demonstra uma boa relação de confiança dentro do sistema e naturalmente a construção de um trabalho produtivo”, ressaltou.

Somando o ativo financeiro total das quatro cooperativas do Sicredi em todo o estado durante o último ano, o valor ultrapassa R$ 1,5 bilhão. O sistema conta atualmente com 21 agências em toda Paraíba. Desse total, oito estão localizadas em João Pessoa e as demais distribuídas nas cidades de Campina Grande, Catolé do Rocha, Cajazeiras, Guarabira, Patos e Sousa. Duas novas agências deverão ser abertas ainda este ano no estado, uma localizada na capital e outra na região do Sertão.

Durante o mesmo período, o Sicoob distribuiu o valor de R$30,3 milhões como resultado para seus cooperados.  O Superintendente Regional do Sicoob Nordeste, Neilson Santos, explica que o saldo positivo representa a busca do cliente por outras opções em aplicações financeiras no mercado. “A crise na economia fez com que o cliente buscasse outras alternativas dentro do mercado. Neste sentido, o cenário não foi ruim para as cooperativas. O crédito que trabalhamos para o associado se diferencia pelas taxas acessíveis e também pela condição de prioridade para o desenvolvimento local”, disse. Em ativo financeiro, o sistema somou em 2017 o valor acumulado de 307 milhões.

Expansão de agências

Devido o crescimento das operações financeiras, Neilson Santos revelou que o número de agências na Paraíba quase que duplicou durante o período dos últimos dois anos. Foram sete novos pontos de atendimento abertos em diferentes cidades do estado do total de 15 existentes do sistema. Das sete agências abertas pelo Sicoob nos últimos dois anos no estado; duas foram em João Pessoa, e as demais em Campina Grande, Esperança, Queimadas, Patos e Teixeira, cada cidade com um novo ponto. “O caminho que buscamos construir é contrário ao de concorrer com as instituições tradicionais inseridas no mercado de se limitar apenas aos grandes centros. A expansão da rede mesmo em plena crise reflete justamente esse objetivo de interiorização”, revelou Neilson Santos.

Com a instalação das duas novas agências em João Pessoa, a cidade conta atualmente com cinco pontos de atendimento do Sicoob. Já na cidade de Campina Grande são duas agências, somando a última aberta no período dos dois últimos anos, e as demais localizadas nos municípios de Prata, Ouro Velho, Monteiro e Cajazeiras, cada um possuindo uma unidade para os associados.

80% das transações pela internet

Mais de 80% das transações registradas pela cooperativa na Paraíba são feitas através da internet, superando a média nacional de 70% em acessos. O uso da tecnologia segundo Neilson Santos reflete em uma maior segurança da rede em proteção aos investimentos aplicado pelos associados.  “A expansão de agências é muito importante para ampliação dos negócios, mas logicamente não há como abrir uma unidade em cada cidade. O acesso de transações pela internet é usado pelo Sicoob exatamente para permitir que todos participem do processo. O investimento na tecnologia hoje é uma prioridade e busca proteger também os valores movimentados, evitando o risco de ataques criminosos nas agências. Isso não anula a relação pessoal de atendimento, mas é uma opção segura e, ao mesmo tempo, de flexibilidade”, ressaltou.

Para se tornar sócio de uma cooperativa de crédito é necessário escolher uma unidade de atuação no sistema e apresentar os documentos identificação pessoal, comprovante de residência e comprovante de renda. No caso de empresários, outros documentos são exigidos para efetivação do ato, a exemplo do cartão do CNPJ e o comprovante de faturamento. Cada cooperativa atua em segmentos diferentes na prestação de serviços, ficando a critério do sócio a decisão de escolha.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.