Vida Urbana

Alvo de investigações, obras da Lagoa são consideradas regulares pela Caixa

De acordo com o documento, encaminhado pela instituição ao Ministério das Cidades, etapas da obra teriam sido cumpridas.



Divulgação
Divulgação
Obras do novo Parque da Lagoa estão previstas para serem concluídas em junho

Alvo de investigações da Controlodaria-Geral da União (CGU) por supostos prejuízos financeiros, as obras do Parque Sólon de Lucena (Lagoa) foram consideradas regulares em um relatório emitido pela Caixa Econômica Federal. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (25).

De acordo com o documento, encaminhado pela instituição ao Ministério das Cidades, todas as etapas da obra teriam sido cumpridas pela prefeitura de João Pessoa, como o desassoreamento da Lagoa, a construção do anel sanitário e de um túnel com mais de 700m.

No relatório, a Caixa considera válido o controle do material retirado da Lagoa e encaminhado ao aterro sanitário. A instituição também reconheceu que não havia a obrigatoriedade de manter todo sedimento retirado no dique, uma vez que o controle de entrada e saída do material foi atestado de acordo com as normas internas de controle, não havendo qualquer prejuízo aos cofres públicos.

A Caixa também afirmou que não houve prejuízo na construção do dique no aterro, avaliando que a CGU, ao calcular o volume do dique, não considerou aspectos técnicos relacionados ao material escavado.

No tocante à obra do túnel, a Caixa se manifestou no sentido de que a composição de custos adotada pela CGU omitiu vários itens obrigatórios por lei e que, portanto, não pode servir de referência para aferir se o valor da obra está condizente com os custos de mercado, descartando qualquer possibilidade de sobre-preço.

Ainda em relação à obra do túnel, a Caixa apontou como parâmetro a obra do túnel da Arena das Dunas, em Natal-RN. O custo unitário por metro linear, na obra de Natal, corresponde a valor atualizado de R$ 10.090,90. A obra da Lagoa teve custo unitário por metro linear no valor de R$ 8.500,00.

Para a Caixa, também houve equívoco da CGU em relação à demolição do muro de contenção, que já foi concluído pela prefeitura, e reconheceu como totalmente regular o serviço, acatado pela setor de engenharia do banco.

A instituição, que fiscaliza e acompanha a obra da Lagoa desde a sua fase inicial, não apontou qualquer irregularidade ou sobre-preço em sua execução. As obras do novo Parque da Lagoa estão previstas para serem concluídas em junho deste ano, de acordo com o governo municipal.

Análises da CGU
Em parecer emitido em dezembro do ano passado, a CGU havia apontado um prejuízo de R$ 5,9 milhões nas obras, causado por pagamentos em montante superior ao valor dos serviços efetivamente executados.

O problema foi identificado no serviço referente à remoção de solo mole, incluindo o transporte destes materiais para o aterro sanitário metropolitano. A fiscalização da CGU apontou que o material retirado da Lagoa que estava depositado no aterro não alcançava a cota superior da borda do talude do dique, o que seria indício de que o volume de material retirado foi menor que o calculado para o pagamento.

 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.