Vida Urbana

Focos de Aedes aegypti podem ser encontrados em até três de cada 100 casas em João Pessoa

Bairros de Jardim Veneza, Indústrias e Mumbaba apresentaram o maior índice de focos do mosquito.




Divulgação

Os bairros de Jardim Veneza, Indústrias e Mumbaba apresentaram o maior índice para presença de focos do mosquito Aedes aegypti em João Pessoa: 2,7%, o que representa uma média de quase três casas por 100 pesquisadas. O número foi divulgado nesta terça-feira (24) no terceiro ciclo do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa).

Considerando toda a cidade, o Índice de Infestação Predial (IIP) está em 0,7%, o que representa que a cada 100 imóveis, 0,7 apresentaram risco de reprodução do mosquito. O número representa um aumento em relação à última pesquisa, divulgada em abril, quando o IPP da capital ficou em 0,5%.

Além dos três bairros, outros 16 também apresentaram focos do mosquito. São eles: Oitizeiro, Alto do Mateus, Grotão, Gramame, Valentina Figueiredo, Planalto Boa Esperança, Jardim Oceania, Manaíra, Tambaú, Castelo Branco, Miramar, Altiplano, Bancários, Jardim Cidade Universitária, Jardim São Paulo e Anatólia.

De acordo com o estudo, a maioria dos focos foi encontrado em descartáveis (lixo) e ambientes de armazenamento para água de consumo. A pesquisa foi realizada entre os dias 11 e 18 de julho e, nesse período, foram inspecionados mais de 13 mil imóveis.

“O trabalho de vigilância é contínuo, mas é importante também que à população incorpore essa educação ambiental, de que lixo deve somente ser jogado no lixo e devidamente armazenado. Locais para armazenamento de água sempre devem estar bem vedados”, reforçou Nilton Guedes, gerente do Centro de Vigilância Ambiental e Zoonoses.

A população pode ajudar no combate ao Aedes aegypti denunciando possíveis focos do mosquito. Basta manter contato com a equipe do Centro de Vigilância Ambiental e Zoonoses ligando 0800-282-7959 e 3214-5718 ou enviando e-mail para coessmsjp@gmail.com.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.