Policial

Agricultor é preso suspeito de estuprar e prostituir filha por R$ 10

Adolescente de 13 anos tinha corpo “vendido” na feira livre enquanto pai bebia.




Um agricultor de 47 anos foi preso nesta quarta-feira (22), na cidade de Sossego, no Curimataú paraibano, suspeito de abusar sexualmente da filha, uma adolescente de 13 anos. Segundo informações da Polícia Civil ao G1 Paraíba, além de estuprar a menina, o acusado também oferecia seu corpo para homens fazerem sexo em troca de R$ 10.
O caso foi descoberto pelo Conselho Tutelar da cidade depois que uma irmã da vítima teria comentado na escola onde estuda que “o pai namorava a irmã mais velha”. Uma das professoras ouviu e denunciou ao Conselho Tutelar que acionou a Polícia Civil.

Após a prisão do agricultor, no sítio onde mora com a família na zona rural de Sossego, a vítima foi ouvida pela polícia. Na delegacia, ela confirmou a denúncia do Conselho Tutelar, de que o pai a estuprava. Ela também contou que o pai a levava para feiras livres vizinhas com o propósito de oferecer seu corpo para homens fazerem sexo por R$ 10. Ainda no depoimento, ela destacou que, enquanto era aliciada, o pai ficava bebendo.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a vítima também contou que, na manhã desta quarta-feira, antes de ser preso, o pai havia lhe beijado a força, tirado a roupa e estuprado ela em casa. No depoimento, a vítima comentou que a mãe sabia que o pai levava ela para as feiras onde era aliciada e que ameaçava matá-la, caso o denunciasse. O casal tem cinco filhas.

O pai foi preso por policiais das cidades de Cuité e Sossego. Na delegacia, o agricultor negou a acusações. Depois de prestar depoimento, o agricultor foi levado para a carceragem da delegacia de Polícia Civil de Barra de Santa Rosa.

Ainda nesta quinta-feira (23) ele deve ser transferido para a cadeia pública da cidade de Esperança. O caso está sendo investigado pelo delegado Elias José Rodrigues Silva.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.