Sem categoria

Paternidade com heroísmo

Elizama também faz questão de passar todo esse sentimento para o filho, que tem grande apego pelo vô Antônio.




Gabriel Vilar tem apenas 6 anos, mas já sabe o que quer ser quando crescer. “Bombeiro, igual ao meu avô”, responde ele, quando questionado sobre o assunto. A admiração pelo avô militar vem de ‘gerações’ e comprova a ‘máxima’ de que ser avô é ser pai duas vezes.

“Eu tenho muito orgulho do meu pai, acho sensacional o amor que ele tem pela profissão que escolheu. O negócio dele é salvar vidas, ajudar as pessoas”, comenta Elizama Vilar, mãe de Gabriel e filha do sargento Antônio Lins Vilar.

“Dá um pouco de medo em saber que ele tem um trabalho arriscado, mas ele é muito controlado, não se desespera diante das ocorrências”, conta ela, que como toda filha tem o pai como um herói – não apenas na família, mas para todos que ele socorre trabalhando em uma ambulância do Corpo de Bombeiros, que presta atendimento pré-hospitalar.

Elizama também faz questão de passar todo esse sentimento para o filho, que tem grande apego pelo vô Antônio. “Apesar da pouca idade, Gabriel já admira o avô e sonha em ser bombeiro como ele. Todo ano, no dia 7 de setembro, eles desfilam no carro da corporação com uma farda personalizada”, conta.

Assim como Elizama, a funcionária pública Isabelly Costa é só elogios ao falar do pai, o coronel da Polícia Militar, José Jorge da Silva – também já avô e ‘pai duas vezes’.

“Ele é para mim como se fosse um pai e uma mãe, pois quando nasci minha mãe faleceu e ele tentou suprir toda a falta dela. Ele é meu super-herói, ele trabalhava, mas mesmo assim arrumava tempo para me levar para o banco de leite. Anos depois, era ele quem me levava para escola. Hoje ele é como se fosse um pai para o meu filho”, afirma Isabelly, em tom de gratidão.

Segundo a funcionária pública, “mesmo trabalhando em uma corporação como a polícia, onde há homens de pulso firme, meu pai sempre foi muito amoroso", disse. Revelando gratidão, Isabelly declara: tenho uma grande admiração por meu pai, tanto pelo profissional que é, como pelo que faz no lar”.

Acrescentando que o pai sempre administrou muito bem a família, composta por cinco filhos. “Só sendo um super-herói para conseguir isso. Ele é a pessoa mais importante da minha vida”, completa.
 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.