Política

Servidor de Serra Branca denuncia irregularidades em contas públicas

Documentos do TCE mostram que digitador teria recebido pagamentos como se fosse secretário municipal, mas ele garante que recebe apenas um salário mínimo.



Lívia Falcão
Lívia Falcão
Givanildo Souza apresenta contra-cheque que comprovaria fraude em Serra Branca

Tatiana Ramos e Phelipe Caldas

O funcionário público da prefeitura de Serra Branca, Givanildo de Lima Souza, formalizou uma representação na Comarca de Serra Branca contra o prefeito da cidade, José Mamede (PT), por ato de improbidade administrativa. Givanildo aparece no portal Sagres do TCE como tendo recebido um valor que chega a quase RS 30 mil da prefeitura e procurou o Paraíba1 quando descobriu o que chamou de "armação".

Segundo os documentos apresentados no site, o funcionário estaria recebendo pagamentos como secretário de Ação Social ou como funcionário lotado na secretaria, mas o Secretário na época era Edinaildo Saraiva Brito. No detalhamento do TCE, Givanildo teria recebido dez pagamentos durante os meses de janeiro e fevereiro de 2008, com valores que variam de R$ 1.500 até R$10 mil. No total, a prefeitura diz ter pago ao funcionário o valor de R$28,627,12.

Givanildo de Lima Souza é concursado da prefeitura e atualmente está lotado na Secretaria de Ação social do Município. Segundo o contra-cheque apresentado por ele, sua remuneração é de um salário mínimo e nunca o valor declarado pela prefeitura. "Para ganhar este valor, precisaria trabalhar mais de 10 anos", desabafou.

O funcionário público disse que está constrangido, porque toda cidade está comentando esse alto valor que ele estaria recebendo e disse que não há nenhuma explicação para o caso. Givanildo diz que quem descobriu o problema foi um amigo de seu irmão, que estava realizando pesquisas no sistema Sagres e descobriu o caso por coincidência.

O portal Paraíba1 tentou entrar em contato com o prefeito José Mamede, que é candidato a reeleição. A reportagem telefonou para a prefeitura da cidade e para a residência do prefeito, mas ele não foi encontrado em nenhum dos locais. Em ambos os casos a alegação era a de que ele estaria em atividades de campanha.

Quem falou em nome da prefeitura foi o ex-secretário Edinaildo Saraiva Brito, que atualmente é candidato a vereador na cidade. Ele classificou a denúncia como sendo uma "onda de boatos" e disse que Givanildo estava militando em prol do candidato de oposição em Serra Branca. "Não existe no nosso município este tipo de irregularidade", destacou.

Ele disse que o valor total era a quantia destinada ao pagamento de todos os funcionários da secretaria, e não apemas ao de Givanildo. "Foi esta a forma que o contador encontrou para facilitar a prestação de contas, mas lhe garanto que não tem nada de errado nisto", completou.

Ainda de acordo com o ex-secretário, esta era uma prática comum também na gestão passada, como forma de facilitar o processo. "Colocava-se o nome de apenas um dos funcionários, mas pagava-se a todos", concluiu.

 Confira a seguir o contra-cheque apresentado por Givanildo Souza ao portal:

 

 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.