Política

Policiais da Paraíba param atividades por 12 horas em protesto por melhores salários

Delegacias devem ser fechadas e PM vai atuar em regime de ‘operação padrão’.




Foto: Walter paparazzo/G1

As polícias Civil e Militar e o Corpo de Bombeiros da Paraíba paralisam as atividades a partir das 12h desta quarta-feira (19), em protesto contra a falta de acordo com o governo sobre a concessão de reajuste salarial para as categorias de segurança. A deliberação foi tomada após reunião do Fórum das Entidades das categorias, que representa 20.149 policiais, nesta terça-feira (18).

Com a paralisação, as atividades das forças de segurança estão suspensas pelo período de 12 horas e serão mantidos apenas os atendimentos de urgência. Assim, as delegacias só irão atender até as 12 horas desta quarta-feira. A partir de 12h01, todas as ocorrências serão registradas e feitas pela Central de Flagrantes.

De acordo com a decisão do Fórum, os policiais militares foram orientados a sair do plantão extra voluntário e manter a operação padrão. Bombeiros só atenderão casos de urgência, ou seja, vão atuar também em regime de operação padrão (greve branca).

A entidade também convocou uma Assembleia Geral Unificada para esta quarta-feira a fim de iniciar uma vigília e traçar novas estratégias para manifestações. Antes da reunião, um grupo de manifestante realizou um ato público na Avenida Beira Rio, com deslocamento para a Granja Santana, residência oficial do governador João Azevêdo.

Sem diálogo

Na nota, divulgada nesta terça, o Fórum informa que a medida foi tomada diante da falta de diálogo com o governador João Azevêdo, que teria prometido uma resposta definitiva à pauta de reivindicações da categoria para esta terça-feira, o que não ocorreu. O governo, segundo o Fórum, além disso, teria pedido um novo prazo para até sexta-feira (21) para que a Secretaria da Fazenda possa fazer comparativos de tabelas e novas projeções.

A proposta apresentada pelo Governo da Paraíba, segundo o Fórum, é de incorporar 30% na bolsa desempenho em 60 meses, além de 5% de reajuste, em outubro, para os ativos e na bolsa desempenho. A resposta foi recusada pelo Fórum das Entidades que reivindicam incorporação de 100% na bolsa desempenho em 36 meses e um reajuste de 24% pelos próximos dois anos. Eles estão dialogando mas o governo tem adiado o momento de dar uma resposta definitiva, pediram pra adiar pra sexta, sendo que o combinado inicial era a terça-feira.

As forças de segurança reforçam, na nota, que os policiais recebem o pior salário do país e alegam que tal impasse vem sendo evitado pelas polícias, pois há 10 meses estão tentando dialogar com o Governo, sem sucesso. “Aguardamos que haja uma resolução por parte do Governo o mais rápido possível, assim como houve em outros Estados da Federação, como Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Piauí e Ceará”, afirmam.

Outro lado

A Secretaria da Segurança e da Defesa Social, através da assessoria de imprensa, informou na manhã desta quarta que não tinha sido comunicada sobre a decisão do Fórum de Entidades de Segurança. “A pasta continua articulada com a equipe econômica do Governo do Estado, a fim de dar prosseguimento ao diálogo com as entidades”, afirma.

A Secretaria assegurou, ainda, que o planejamento operacional para as prévias carnavalescas de João Pessoa está mantido, em especial o de hoje, quando desfila o bloco Muriçocas do Miramar.

A reportagem do JORNAL DA PARAÍBA entrou em contato também com a Secretaria da Fazenda e aguarda um posicionamento da pasta sobre os questionamentos salariais das forças de segurança.

 

 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.