Política

Juiz inocenta Gilberto Carneiro em ação por calúnia

Procurador-geral do município de João Pessoa, Gilberto Carneiro, foi inocentado na ação movida pela proprietária do Cartório.




Da Redação

Acatando pedido do promotor Demétrius Castor de Albuquerque Cruz, do Ministério Público Estadual, o juiz da 6ª Vara Criminal da Comarca da Capital, Flávio Teixeira de Oliveira, inocentou nesta sexta-feira (5) o procurador-geral do município de João Pessoa, Gilberto Carneiro, na ação movida pela proprietária do Cartório Eunápio Torres, Maria Emíia Coutinho Torres de Freitas.

Na sentença em favor do procurador-geral, o juiz Flávio Teixeira determinou o arquivamento do processo diante da ausência de provas: “Impõe-se o arquivamento do inquérito policial, diante da inexistência de elementos suficientes para formular uma acusação”, diz o magistrado em sua sentença.

O caso – O fisco municipal de João Pessoa conseguiu junto à Justiça autorização para realizar uma fiscalização junto aos cartórios da Capital, com o objetivo de examinar os direitos tributários. O fisco acabou descobrindo que o Cartório Eunápio Torres havia emitido uma certidão de escritura em que constava o adquirente de um imóvel, porém a transação comercial não aparecia no sistema de informações da Prefeitura, presumindo-se uma lesão ao erário municipal.

Para apurar o fato e instigado pela Prefeitura, o Ministério Público impetrou ação penal contra a proprietária do cartório, Maria Emília. Essa, em represália, ingressou com uma ação de notícia-crime contra o procurador-geral Gilberto Carneiro, denunciando-o por calúnia.

“O procurador-geral nada mais fez do que um dever de ofício, defendendo o erário municipal e tal fato não configura denunciação caluniosa. Configuraria, sim, crime de prevaricação se o procurador não tivesse agido”, diz o juiz da 6ª Vara Criminal em sua sentença.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.