Política

Arthur Cunha Lima pede apoio a Dilma Rousseff para produção de biodiesel

Projeto que o presidente da Assembléia Legislativa entrega à ministra da Casa Civil prevê produção de 150 milhões de litros de biodiesel em 90 municípios do Estado.




Da Redação
Com informações da AL-PB

Um projeto que tem como objetivo fazer com que a Paraíba alcance a produção de 150 milhões de litros de biodiesel por ano deve ser entregue pelo presidente da Assembléia Legislativa, deputado estadual Arthur Cunha Lima (PSDB), para a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. O encontro acontece nesta segunda-feira (17) na Conferência Internacional sobre Biocombustíveis, em São Paulo.

O documento levado por Arthur Cunha Lima prevê que a produção seja fruto do cultivo de 113 mil e 400 hectares de pinhão manso, em 90 municípios do semi-árido paraibano. O presidente da AL paraibana representa o Governo do Estado e a União Nacional dos Legislativos Estaduais (Unale) no evento.

O projeto trata-se de uma parceria público-privada. A Bionor é a empresa privada que poderá atuar como integradora, sendo responsável pelo fornecimento de mudas de pinhão manso, ferramentas e de insumos, capacitação e assessoria técnica.

O projeto inédito conta com apoio e acompanhamento do College of Science e do RaD Center of Bio-Technology da Universidade de Sichuan, dirigido pelo professor Chen Fang, responsável direto pela variação genética do pinhão manso,  que alcança 63% de óleo em sua amêndoa.

A previsão, segundo a assessoria da Assembléia Legislativa, é de que sejam gerados 394 empregos diretos, com resultado de renda de R$ 8 mil ao ano para cada uma das 22.680 famílias produtoras. Estima-se ainda mais 120 empregos indiretos na construção civil.

De acordo com a Assembléia Legislativa, os 90 municípios paraibanos já assinaram o termo de adesão ao programa. O programa prevê que cada família que produzir 3 mil quilos de sementes ao ano terá um ingresso de R$ 8 mil nesse mesmo ano, só com a produção de óleo.

O custo calculado para implantação desse projeto é de R$ 2.500 por hectare, para implantação do cultivo e cuidados nos três primeiros anos.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.