Política

Após operação da PF, Eduardo Cunha descarta renúncia e ataca PT

Cunha disse que lhe causou estranheza a ação da PF em suas residências e escritório às vésperas da decisão sobre o impeachment de Dilma.  



Marcelo Camargo / Agência Brasil
Marcelo Camargo / Agência Brasil
A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta manhã mandado de busca e apreensão na residência oficial de Eduardo Cunha, em Brasília, e na casa particular, no Rio de Janeiro

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), descartou nesta quarta-feira (15) que vá renunciar ao cargo, em entrevista coletiva no Salão Verde. Cunha disse que lhe causou estranheza a ação da Polícia Federal em suas residências e escritório às vésperas da decisão sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e do Conselho de Ética sobre a representação contra ele. Cunha também se voltou contra o PT na entrevista.

"Todo dia tem denúncia e caixa 2 do PT. De repente, fazer uma operação com o PMDB. Isso causa estranheza a todos nós. Quem for um pouco inteligente sabe que no dia de hoje, às vésperas da decisão do processo de impeachment, tem alguma coisa de estranha no ar, além da situação normal de investigação", disse aos jornalistas.

"Não me parece que ninguém do PT, que tem o foro que eu tenho, é sujeito a algum tipo de operação. Só é sujeito a operações até agora aqueles quem não são do PT", disse. "Sou desafeto do governo. Fui escolhido para ser investigado. Nada mais natural que eles buscarem o revanchismo", acrescentou. "Não estou nem um pouco preocupado com operação que aconteceu. Normal, natural, mas estranho profundamente essa concentração no PMDB", completou.

A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta manhã mandado de busca e apreensão na residência oficial de Eduardo Cunha, em Brasília, e na casa particular, no Rio de Janeiro.Também foram feitas buscas em endereços de dois ministros: Henrique Eduardo Alves, do Turismo, e Celso Pansera, de Ciência, Tecnologia e Inovação, ambos do PMDB. 

No total, a polícia cumpriu 53 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal (9), em São Paulo (15), no Rio de Janeiro (14), Pará (6), em Pernambuco (4), Alagoas (2), no Ceará (2) e no Rio Grande do Norte (1) como parte da Operação Catilinárias, deflagrada hoje (15) por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki. A ação faz parte da Operação Lava Jato.

Não foi apenas a operação da PF que movimentou o dia de Eduardo Cunha. Após sete adiamentos, o Conselho de Ética aprovou por 11 votos a 9 o parecer preliminar do deputado Marcos Rogério (PDT-RO), que mantém representação contra o presidente. A decisão dá continuidade à ação. Cunha é acusado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e por ter prestado falso testemunho quando depôs na CPI da Petrobras negando ter contas secretas no exterior.

Cunha será notificado e terá 10 dias para apresentar defesa por escrito no processo disciplinar.

Impeachment

O Supremo Tribunal Federal (STF) se posicionará na quarta-feira (16) sobre o rito de tramitação do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.