Policial

Suspeito de disseminar notícias falsas sobre coronavírus na PB vai responder por causar pânico

Homem foi ouvido pela Polícia Civil na manhã e pediu para que outras pessoas não cometam o mesmo erro.




Foto: Reprodução TV Cabo Branco

A Polícia Civil da Paraíba ouviu, na manhã desta terça-feira (24), um homem suspeito de espalhar notícia falsa sobre supostos casos de coronavírus do estado. De acordo com a delegada Karina Torres, responsável pelo caso, o suspeito assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e vai responder em liberdade pelo crime de provocar pânico ou tumulto à população.

O Grupo de Operações Especiais (GOE) havia instaurado um procedimento para apurar denúncias de informações falsas, relacionadas ao novo coronavírus, na segunda-feira (23). Nesta terça (24), o suspeito confirmou que gravou um vídeo com informações não oficiais, que não tiveram sua procedência checada com os órgãos oficiais, conforme a assessoria de comunicação da Polícia Civil.

Para se retratar, o suspeito gravou outro vídeo afirmando que produziu uma notícia falsa porque recebeu áudios em um aplicativo de mensagens, e informando que pessoas estavam morrendo no Hospital Clementino Fraga, referência no tratamento de Covid-19 em João Pessoa.

“Eu fui levado pelas circunstâncias, muito mais pelos áudios que recebi do que pela situação que estava ocorrendo de fato. Na verdade, não existia nada de pânico no hospital e estava tudo sob controle no Clementino. Eu não chequei a informação e fui logo gravando um vídeo. Pelo que estou passando agora, não aconselho ninguém a fazer isso, até porque estamos sabendo que isso é crime”, pontuou o suspeito.

O homem trabalha há cerca de 24 anos na área da saúde, e reforçou o pedido para que outras pessoas não cometam o mesmo erro de disseminar informações falsas e, assim, causar pânico à população.

Espalhar alerta falso é crime

 

Provocar pânico, espalhar alerta falso ou criar situações de terror entre a população são atitudes que podem ser consideradas como sendo crime, conforme alertam a Polícia Civil e o Ministério Público da Paraíba (MPPB). O crime pode resultar em prisões que variam entre 15 dias e seis meses, ou pagamento de multa.

Para denunciar conteúdos falsos, basta ligar para o 197, que é o disque-denúncia da Polícia Civil ou registrar um boletim de ocorrência sem sair de casa, pelo site do serviço Delegacia Online.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.