Policial

PC faz novas buscas contra tráfico dentro de presídios em Patos

É a continuação da Operação Hidra, que em março prendeu funcionários de presídio por facilitação.




A Polícia Civil da Paraíba deflagrou nesta segunda-feira (21) a Operação Hidra 2, uma continuidade da ação iniciada em março para desarticular uma quadrilha que comanda o tráfico de drogas de dentro de presídios no Sertão paraibano. De acordo com o delegado Cristiano Jacques, o objetivo é prender suspeitos de integrar o esquema fora das penitenciárias. Até as 9h30, seis pessoas haviam sido presas. Uma sétima pessoa, uma mulher, chegou a ser levada para a delegacia, mas foi liberada depois que sua participação no crime foi descartada.

Entre os presos está um estudante de Direito. Segundo a PC, ele se apresentava como advogado de detentos e seria responsável por negociar com os diretores dos presídios para facilitar os pedidos dos internos, como visitas em horários fora do habitual e até a entrada de drogas. A polícia já o investigava desde a primeira investida da operação, mas ele não foi preso para que se levantassem mais provas contra o suspeito.

Conforme Cristiano Jacques, a polícia já apreendeu um fuzil 762, um revólver calibre 38, munição,11 celulares e cheques, que totalizam o valor de R$ 56 mil. Nas buscas, também foram encontrados cerca de 3kg de crack e uma quantidade de maconha. O material estava com pessoas fora das unidades, mas dois dos mandados de prisão cumpridos hoje foram realizados dentro de celas do Presídio Regional Romero Nóbrega, em Patos.

"Na primeira fase da operação foram presos um diretor de presídio, funcionários que facilitavam a execução das ordens dos detentos e os próprios presos envolvidos foram qualificados, mas alguns ainda estão na chefia e o pessoal que ficou do lado de fora das grades continuou comercializando os entorpecentes", explicou.

Operação prendeu diretor de presídio
A Operação Hidra foi deflagrada no dia 21 de março. De acordo com as Secretarias de Segurança Pública e Administração Penitenciária da Paraíba, na época foram cumpridos os 23 mandados de prisão expedidos pela Justiça.

Os alvos eram detentos suspeitos de atuar no tráfico mesmo dentro das celas do Presídio Regional Romero Nóbrega, além de seis funcionários e um ex-funcionário da unidade, que estariam ganhando ‘comissões’ para facilitar fugas e saídas de presos para as negociações. O grupo também teria participação nos assassinatos de pessoas que tentavam denunciar o esquema.

A operação foi realizada com a participação de cerca de 250 policiais civis e militares, que fizeram buscas nas cidades de Patos, São Bento, São José de Piranhas e Teixeira, na Paraíba, além de São José do Egito, em Pernambuco.

Atualizada às 10h15


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.