Policial

Abrigo de menor em CG será desativado

Fechamento foi definido após a divulgação do relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que apontou problemas de estrutura na unidade.




O abrigo provisório para adolescentes infratores de Campina Grande será desativado num prazo de 15 dias pela Fundação de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente da Paraíba (Fundac). O fechamento foi definido após a divulgação do relatório do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que apontou problemas de estrutura na unidade. O novo abrigo será construído em Lagoa Seca, no Brejo, e vai custar cerca de R$ 920 mil.

O anúncio da construção da nova unidade foi feito na manhã de ontem pela presidente da Fundac, Cassandra Figueiredo, durante uma visita ao Lar do Garoto, em Lagoa Seca. “Estamos concluindo os trâmites para dar início à licitação ainda este mês. A previsão é que a construção seja iniciada no próximo ano e a obra deve demorar até cinco meses para ficar pronta”, afirmou. O novo abrigo terá capacidade para receber até 20 adolescentes.

Enquanto o novo abrigo não fica pronto, os adolescentes serão transferidos para uma área reservada no Lar do Garoto, unidade sócio-educativa voltada para ressocialização de garotos que tiveram a internação determinada pela Justiça.
Já estão sendo feitas as adaptações no local e a transferência deve começar em 15 dias se não houver atraso nas reformas. “Temos de fazer a transferência o mais rápido possível, pois não podemos manter os adolescentes na situação atual do abrigo”, comentou Cassandra.

O novo abrigo será erguido num terreno próximo ao Lar do Garoto, mas será uma unidade independente. Atualmente, 12 adolescentes estão no abrigo provisório de Campina Grande, que funciona no anexo do prédio da antiga Central de Polícia, no bairro de São José. A Central de Polícia foi desativada em junho deste ano.

PARCERIA UEPB
A reitora da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Marlene Alves, visitou na manhã de ontem o Lar do Garoto para dar início ao projeto de criação de um polo de cursos técnicos no interior da unidade. As aulas deverão começar em fevereiro do próximo ano. Além dos cursos, serão desenvolvidas ainda atividades ocupacionais, artísticas, culturais e esportivas.
A ideia é oferecer vagas para o curso de técnico em agropecuária, num formato similar ao que é desenvolvido pela UEPB na Escola Agrícola da UEPB em Lagoa Seca. “Já desenvolvemos atividades aqui, mas vamos intensificar estas ações com a criação de uma sala de aula para oferecer cursos na área de agronomia, aproveitando a estrutura do nosso campus II que fica ao lado do Lar do Garoto”, afirmou a reitora.
 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.