Notícias

Dia das Mães: mulheres relatam desafios da gestação após enfrentarem a Covid-19

Ranielly Dantas e Priscila Vasconcelos deram à luz durante a pandemia.




Dia das Mães pandemia

Ranielly Dantas e Elena Maya/Priscila Vasconcelos, Jansen Chaves e Laura Maria/Arquivo Pessoal

As grávidas e puérperas passaram a enfrentar outro desafio com o surgimento da pandemia do coronavírus. Consideradas grupos de risco pelo Ministério da Saúde, elas possuem maior risco de sofrer complicações da Covid-19. Com isso, a maternidade neste período se tornou ainda mais desafiadora, envolvendo cuidados redobrados e a necessidade de uma forte rede de apoio. Foi o caso de Ranielly Dantas e Priscila Vasconcelos, mães de primeira viagem.

Ranielly e Elena Maya, o bebê arco-íris

Em fevereiro de 2020, pouco antes da pandemia começar no Brasil, Ranielly, de 27 anos, moradora da cidade de Cajazeiras, no Sertão da Paraíba, descobriu que estava grávida pela segunda vez. Na primeira gestação, em 2014, ela havia perdido o bebê com oito meses de gestação por causa de uma pré-eclâmpsia. Unindo o histórico de saúde dela ao momento que o país começava a enfrentar, foi um misto de alegria e preocupação.

Em junho, veio uma notícia que deixou Ranielly ainda mais preocupada: um teste positivo para Covid-19. “O meu maior medo era ter algum risco para o bebê, pois não aguentaria perder outro filho(a)”, afirmou.

Apesar de não ter apresentado sintomas graves, uma das consequências do coronavírus para Ranielly foi perda do líquido amniótico e amadurecimento precoce da placenta. Por isso, com 30 semanas, ela precisou ser internada e, como em Cajazeiras não há UTI neonatal, foi transferida para o Instituto Cândida Vargas, em João Pessoa. A irmã da gestante, Luana Dantas, permaneceu todo o período como acompanhante.

Após dois meses de internação, entre saudades de casa e medo de outras complicações, no dia 8 de outubro de 2020, deu à luz Elena Maya. O “bebê arco-íris”, como são chamados os nascidos de uma mãe que perdeu outro filho anteriormente, veio ao mundo com três quilos, saudável e pronta para alegrar a família.

Dia das Mães

Ranielly, com a pequena Elena Maya, e a mãe Maria do Carmo

Sobre o primeiro Dia das Mães com a pequena Elena Maya, Ranielly afirma: “é gratificante, pois antes o Dia das Mães era um pouco triste, já que uma parte de mim tinha ido. Agora, irei passar com meu arco-íris lindo e, mesmo neste momento crítico, é gratificante”.

Priscila e a pequena Laura Maria

Em agosto de 2020, quando os casos de coronavírus já batiam recordes no Brasil, Priscila Vasconcelos, engenheira de produção de 33 anos, de João Pessoa, descobriu que estava grávida pela primeira vez.

Apesar da alegria, o medo do coronavírus foi inevitável e, no quinto mês da gestação, ela descobriu que estava infectada. Mesmo com sintomas leves, não deixou de ficar angustiada.

“Fiquei muito preocupada, com medo de que pudesse acarretar em alguma sequela para minha filha, assim como a possibilidade de um agravamento da doença que pudesse implicar em complicações para o final da gestação. Poucos meses antes perdi o meu avô para a doença, o que nos deixou ainda mais preocupados”, relatou.

Os preparativos foram feitos com o máximo de cuidado possível, inclusive as fotos da gravidez que foram tiradas em casa. Depois de muita tensão, no dia 12 de abril de 2021, nasceu Laura Maria, saudável e sem complicações. Contudo, as precauções continuam.

“Temos evitado receber visitas após o parto de forma a evitar uma possível reinfecção. Apenas os avós e tios visitaram Laurinha, todos com o uso de máscaras e respeitando os protocolos de higiene”, informou Priscila.

Dia das Mães

Priscila Vasconcelos com o marido Jansen e a pequena Laura Maria/Arquivo pessoal

A mãe de primeira viagem afirma que só vai relaxar quando houver vacinação para todos. “Estou muito feliz por tê-la em meus braços, mas só ficarei mais tranquila após o avanço da vacinação na nossa cidade, e assim poder celebrar com nossos familiares e amigos, todos juntos, a chegada dela em nossas vidas”.

Covid-19 aumenta risco de complicações na gravidez

Consideradas grupo de risco pelo Ministério da Saúde, gestantes têm mais chances de desenvolver complicações causadas pela Covid-19, como a necessidade de serem levadas à UTI ou até de desenvolverem trombose.

“A Covid-19 é uma doença inflamatória, que afeta pulmões, rins, assim como os vasos sanguíneos e a coagulação. A gestante, pelas alterações hormonais, já tem uma fragilidade nesse processo de coagulação, portanto, quando acometidas pela Covid-19, esse risco aumenta”, explicou a ginecologista Wanicleide Leite. Portanto, os cuidados para evitar o coronavírus devem ser redobrados.

Saiba mais sobre os riscos do coronavírus para gestantes

Vacinação para grávidas e puérperas

As grávidas e puérperas, mulheres que deram à luz há menos de 45 dias, já podem se vacinar contra a Covid-19 em João Pessoa. No momento da vacinação, é preciso apresentar documento oficial com foto, cartão do SUS, CPF e comprovante de residência.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.