Notícias

Agentes de limpeza paralisam atividades e protestam por melhores condições de trabalho, em João Pessoa

Categoria informa que faltam Equipamentos de Proteção Individual (EPI), além do vale-refeição que não foi entregue desde a semana passada.




Reprodução/TV Cabo Branco

Agentes de limpeza de João Pessoa realizaram um protesto e suspenderam as atividades, nesta segunda-feira (14). De acordo com a categoria, faltam fardas, luvas e material de higienização dos caminhões que fazem a coleta de lixo urbano da cidade. Pelo menos 560 trabalhadores participaram da manifestação, que aconteceu em frente à empresa, no João Paulo II.

Radamés Cândido, representante dos agentes de limpeza, disse à TV CABO BRANCO, que a empresa informou que pagaria o vale-refeição na semana passada, mas não teria pago até hoje. Também falou sobre a falta de álcool em gel, que seria utilizado para a higienização dos caminhões e dos trabalhadores, principalmente por se tratar de uma medida preventiva contra a Covid-19.

“É um desrespeito muito grande com o trabalhador da limpeza urbana. Falta fardamentos, que os trabalhadores estão usando suas próprias roupas e uniformes, inclusive, de outras empresas, porque não foi disponibilizado. Além de tudo isso, a pressão em cima de um trabalhador sem sequer possuir luvas que, em sua maioria, estão rasgadas ou são inadequadas para a coleta de lixo”, ressaltou.

Ainda segundo Cândido, se não houver nenhuma resposta da empresa, os funcionários manterão os serviços suspensos. “A gente já passou dois meses de processo difícil sem receber salário, porque as empresas que saíram não pagaram. Foi por meio de uma ação jurídica que nós conseguimos o pagamento”, afirmou.

A Empresa Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) disse, em nota, que os trabalhadores da empresa já retornaram à execução de suas atividades. Também falou que foram disponibilizados os cartões referentes ao vale-refeição nesta segunda. A entrega deveria ter ocorrido junto com os pagamentos do salário, na semana passada, mas houve atrasos por questões burocráticas e de confecção.

A Emlur afirma, ainda, que a orientação dada à empresa é de que os trabalhadores desempenhem suas atividades com a utilização de todos os Equipamentos de Proteção Individual (EPI).


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.