Esportes

Polícia suspeita que Treze tenha sido beneficiado em outra edição do Paraibano

Relatório e escuta telefônica trazem à tona um encontro entre um dirigente do Galo e um assistente de arbitragem.




Não é apenas o Campeonato Paraibano deste ano que está na mira da Operação Cartola. De acordo com um dos relatórios da Polícia Civil, que o GloboEsporte.com teve acesso, está sob suspeita também o estadual de 2016. Segundo informações de alguns denunciantes, o Treze pode ter sido beneficiado em ao menos uma partida do torneio. E logo num Clássico dos Maiorais, contra o Campinense. A negociação, segundo consta no relatório, seria entre o diretor de futebol do Galo da Borborema, Alan Kardec de Morais, e o ex-árbitro auxiliar, Griselildo de Sousa – o Sousa Júnior -, na partida de ida do mata-mata da segunda fase, realizada no dia 10 de abril daquele ano.

De acordo com um dos documentos oficiais da Operação Cartola, o encontro entre o dirigente alvinegro e um dos membros da equipe de arbitragem do jogo se deu na véspera do Clássico dos Maiorais de ida, que acabou empatado em 0 a 0. Consta no relatório, inclusive, uma foto do encontro, onde Sousa Júnior aparece bem próximo do carro de Alan Kardec. A imagem foi entregue por um dos denunciantes que delatou o suposto esquema de manipulação de resultados e de compra de árbitros no futebol paraibano.

Ainda segundo o documento da Polícia Civil, Sousa Júnior é apontado por vários delatores como integrante do que a investigação chama de possível Organização Criminosa. Ele também é mencionado em várias escutas suspeitas, grampeadas pela polícia.

Em depoimento à Operação Cartola, que o GloboEsporte.com também teve acesso, Alan Kardec de Morais confirmou que se reuniu com o árbitro auxiliar, mas contou que foi apenas para pegar uma encomenda que seria endereçada para um amigo do dirigente, que era primo de Sousa Júnior. Ainda segundo Kardec, o bandeira estava indo trabalhar em Cajazeiras em um jogo do Treze, só que em 2017, que seria o duelo entre Galo e Atlético-PB, pela sexta rodada do estadual daquele ano, único que Sousa Júnior bandeira do Alvinegro na cidade sertaneja.

“Ele não é árbitro, ele não apita jogo, ele trabalha como bandeirinha. Ele ia bandeirar um jogo em Cajazeiras, pelo ano passado. E na passagem aqui em Campina Grande, ele estava num restaurante, e um amigo meu, Éder Luzito, que é amigo nosso do Treze e já foi diretor em 2011 com a gente, me pediu para pegar uma encomenda com esse rapaz que é primo dele. Eu fui e peguei a encomenda. Eu estava com minha filha no carro e ele me entregou um envelope. Não sei o que era e eu só fiz repassar para Éder”, explicou.

Leia mais no Globoesporte.com/pb


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.