Esportes

MP cobra agilidade no processo contra Marcelinho Paraíba

De acordo com o Ministério Público, inquérito já deveria ter chegado à Central de Acompanhamento há pelo menos dois meses.




O Ministério Público da Paraíba enviou ofício, na última sexta-feira, cobrando que a delegada Herta de França devolvesse ao órgão o inquérito que investiga o meia Marcelinho Paraíba de um suposto estupro. O crime teria acontecido no final do ano passado no sítio do jogador, situado em Campina Grande. De acordo com o MP, o inquérito já deveria ter chegado à Central de Acompanhamento de Inquéritos do Ministério Público da Paraíba (Caimp) há pelo menos dois meses.

É que no início de março o promotor responsável pelo caso, Romualdo Tadeu, devolveu o mesmo inquérito para a Polícia Civil argumentando que as provas e depoimentos apresentados pela delegada eram insuficientes e inviabilizaram a sua decisão quanto se aceita ou não a denúncia contra o jogador. A partir daí, o promotor deu o prazo de mais um mês para que ela concluísse a investigação.

Exatamente um mês depois, Herta de França deu uma entrevista coletiva afirmando ter concluído o “novo” inquérito e voltava novamente a indiciar Marcelinho com base no artigo 213 do Código Penal Brasileiro, que trata do crime de estupro. Na ocasião, a delegada divulgou que a investigação fornece “provas robustas” de que o jogador seria o responsável pela lesão nos lábios e um machucado no couro cabeludo da vítima, a advogada Rosália Zabatos de Abreu. (Do Globoesporte.com)


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.