Esportes

Dirigentes pressionam e Governo sinaliza para pagamento de patrocínio aos times da Paraíba

Times admitiram que sem o dinheiro, não há condições de disputar o Paraibano de 2021.




Foto: Divulgação/FPF

Após os times afirmarem que, sem a ajuda financeira do Governo do Estado, não há condições de disputar o Campeonato Paraibano de 2021, uma reunião entre representantes das secretarias de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), Receita e Controladoria Geral do Estado deve resolver este impasse. É que o governador João Azevêdo deu aval para que os três órgãos acelerem o processo, para que os times voltem a receber os recursos do Programa Paraíba Esporte Total.

A informação foi divulgada pelo ge Paraíba. Nesta segunda-feira (21), uma reunião entre os secretários de três pastas – Hervázio Bezerra, de Juventude, Esporte e Lazer; Marialvo Laureano, da Receita; e Letácio Guedes, da Controladoria Geral do Estado – deve agilizar a liberação dos recursos para pagamento do benefício aos clubes do futebol paraibano.

O JORNAL DA PARAÍBA trouxe um levantamento sobre quanto cada clube paraibano desviou do Gol de Placa, de acordo com as investigações feitas pelo Grupo de Atuação Especial Contra a Corrupção (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba.

Na semana passada, representantes dos clubes e a Federação Paraibana de Futebol (FPF) chegaram a suspender o Campeonato Paraibano de 2021 alegando falta de condições financeiras. Na oportunidade, eles condicionaram a realização do estadual à volta da ajuda do programa de incentivo do Governo.

“O governador foi sensível a esta situação toda que vivemos. A parte política está resolvida (para a liberação dos recursos). Estamos estudando a melhor forma de fazer isso ainda em 2020, uma vez que os clubes precisam apresentar um plano de aplicação dos recursos. Tudo isso feito da forma menos burocrática possível, sem papelada… Tudo online, num programa desenvolvido pela Codata”, explicou Hervázio Bezerra ao ge Paraíba.

O secretário da Sejel explicou ainda que os clubes precisam demonstrar a aplicação do dinheiro. Por exemplo: se for para pagamento da folha salarial, mostrar o pagamento quitado. De acordo com Hervázio, é uma forma mais simples de prestação de contas, e não vai mais exigir o preenchimento jogo a jogo, como acontecia no Gol de Placa.

“A decisão do Governo em resolver essa situação é pensando nos clubes e, principalmente, reconhecendo a situação de pandemia em que vivemos. É difícil se pensar na volta do público aos estádios neste momento, então realmente vai ficar complicado se fazer futebol sem ajuda. O governador foi sensível a essa dificuldade, assim como eu também sou”, explicou.

Vale lembrar que o Paraíba Esporte Total, programa que substitui o Gol de Placa, é no modelo de renúncia fiscal. Ou seja, os clubes têm até o dia 31 de dezembro, fim do exercício fiscal, para apresentar uma empresa ao Governo e ainda receberem os recursos previstos para 2020.

 

Veja quanto cada time deve receber do Governo ainda em 2020:

 

Botafogo – R$ 922.740,00 (Paraibano, Copa do Brasil, Copa do Nordeste e Série C)
Campinense – R$ 467.236,50 (Paraibano, Copa do Brasil e Série D)
Treze – R$ 368.559,38 (Paraibano e Série C)
Atlético de Cajazeiras – R$ 238.186,88 (Paraibano e Série D)
CSP, Perilima, Nacional de Patos, Sousa, São Paulo Crystal e Sport Lagoa Seca (Paraibano) – R$ 167.212,88


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.