Eleições 2020

Bruno Cunha Lima diz que não entrou na disputa da prefeitura de CG por conta do sobrenome

O candidato ressalta que debate eleitoral em torno de suposta oligarquia é pauta da oposição




O candidato a prefeito de Campina Grande pelo PSD, Bruno Cunha Lima, defendeu que a indicação do nome dele para concorrer à prefeitura de Campina Grande foi feita por merecimento, independente do histórico político da família. Em entrevista à imprensa, ele disse que o debate eleitoral em torno de suposta oligarquia é alimentado pela oposição.

“Uma das pautas da oposição que permeiam o debate eleitoral é a uma suposta oligarquia, mas sobrenome não qualifica caráter, e sim coragem, honestidade e trabalho. Sou neto de um homem de 90 anos [Ivandro Cunha Lima] que sempre foi um grande cidadão e político, mas não sou responsável pelos seus acertos nem posso ser taxado pelas dissonâncias de quem veio antes de mim”, afirmou Bruno.

Bruno enfatizou sua pretensão de inovar e preparar a cidade para um pós-pandemia que terá a ciência e a tecnologia como parâmetro de modernização da máquina pública, ressaltando a capacidade do campinense de se reinventar.

“2021 vai ser um desafio. Todo e qualquer projeto, proposta e plano de gestão será em médio e longo prazo. Economicamente minha pretensão é desburocratizar a máquina pública, o que é fundamental para dar celeridade a esse processo. Campina tem a característica de se refazer, se recriar e se reinventar”, disse o candidato.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.