Economia e Negócios

Quase 90% dos empreendedores da Paraíba interromperam ou alteraram negócios durante a pandemia

Levantamento indica que maioria dos empresários acha que economia deve voltar ao normal em seis meses




A pandemia provocada pelo coronavírus e a consequente necessidade do distanciamento social e da restrição de mobilidade da população para combatê-lo continuam gerando reflexos na rotina dos pequenos negócios paraibanos. De acordo com um levantamento do Sebrae, 89,7% dos empreendedores do estado precisaram interromper ou alterar o funcionamento do negócio em razão da pandemia.

O dado foi divulgado nesta terça-feira (26) na terceira edição da pesquisa “O Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios”, realizada pelo Sebrae Nacional para acompanhar a situação das micro e pequenas empresas e auxiliar os empreendedores a lidarem com os desafios e as dificuldades impostos pela nova realidade do mercado.

Na Paraíba, a pesquisa entrevistou 97 empresários, De acordo com os dados, 47,5% informaram que promoveram mudanças no funcionamento da empresa, enquanto 42,2% decidiram interromper temporariamente as atividades do negócio. Além deles, outros 5,1% dos entrevistados disseram que não mudaram a forma de funcionar, enquanto 5,2% optaram por encerrar de vez as atividades da empresa.

Outro ponto abordado pela pesquisa trata das novas medidas que os empreendedores entrevistados resolveram iniciar por causa da crise do coronavírus. Segundo os números, 39% informaram que começaram a realizar vendas online com o uso das redes sociais, 11% a fazerem o gerenciamento das contas da empresa pelo aplicativo do banco e 10% a realizarem vendas por telefone e aplicativos móveis.

Nesse mesmo universo, 4% disseram que estão com seus funcionários trabalhando em regime de home office, 4% estão participando de comunidades que são de interesse dos clientes para poder interagir e realizar vendas, 3% fizeram parcerias com empresas locais para entregas ou vendas conjuntas, 3% realizaram pagamento por propaganda na internet e apenas 1% começou a vender através de sites.

Já em relação ao futuro, a maior parte dos empresários entrevistados, 45,2%, acredita que a economia deve voltar ao normal em até seis meses. Outros 36% disseram que isso só deve acontecer em um período entre 7 e 12 meses. Já 17,8% acreditam que a economia vai levar mais de 12 meses para voltar ao normal, enquanto 1% dos entrevistados não soube ou não quis responder.

Na avaliação da gerente de Estratégia do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, os dados da pesquisa refletem não apenas os impactos da pandemia nos pequenos negócios, mas também as tendências que estão surgindo com o novo cenário.

“A pandemia ocasionada pelo coronavírus parece ter rompido de vez as estruturas do mundo velho e provocado o surgimento de um mundo novo, onde os empreendedores são os protagonistas para uma revolução digital. Isso tem assustado, pois agora as empresas são obrigadas a aprender tudo da noite para o dia, pois se não se adequarem, não poderão se manter funcionando. Apesar disso, as plataformas digitais são apenas uma das formas de atingir ao cliente, ou seja, ter um bom modelo de negócio continua sendo essencial para que a empresa seja escolhida pelo consumidor”, enfatizou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.