Economia e Negócios

Procura por carta de crédito aumenta 30%

As mudanças no financiamento de imóveis usados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) provocaram uma procura de até 30%, segundo informou a Superintendência da Caixa Econômica Federal na Paraíba. A nova linha de crédito permite, dependendo do prazo escolhido, financiar até 100% do valor do imóvel enquanto o tempo de […]




As mudanças no financiamento de imóveis usados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) provocaram uma procura de até 30%, segundo informou a Superintendência da Caixa Econômica Federal na Paraíba. A nova linha de crédito permite, dependendo do prazo escolhido, financiar até 100% do valor do imóvel enquanto o tempo de amortização foi estendido para 30 anos. Antes da mudança, era obrigatória uma entrada de 20% para empréstimo da casa própria com base nos recursos do FGTS.
Porém, os limites no valor dos imóveis variam de região para região. Para cidades com população igual e acima de 500 mil habitantes, como é o caso de João Pessoa, o financiamento do imóvel agora é de R$ 100 mil. Nas demais cidades paraibanas, o valor é até R$ 80 mil, mas esse montante depende do prazo de financiamento. Para quitação em até 20 anos (240 meses), o trabalhador pode financiar 100% do valor do imóvel, mas o percentual é aplicado sobre o menor valor entre a avaliação do imóvel feita pela Caixa e o valor de compra e venda do imóvel. Se o interessado optar por 25 anos (300 meses), é possível parcelar até 90% do total. No caso de pagamento em 30 anos (360 meses), o financiamento é de até 80% do preço do imóvel.
 
Segundo a assessoria da Caixa Econômica, o interessado não precisa ter depósitos na conta do FGTS para se beneficiar dessa linha de crédito e contratar o serviço. O programa Carta de Crédito FGTS é uma linha de financiamento que utiliza recursos do Fundo para ajudar na compra de um imóvel. A taxa de juros para o financiamento nessa modalidade oscila de 6% a 12% e depende da renda e de uma série de avaliações como renda, tempo de FGTS e prazo de financiamento.
O presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-PB), Rômulo Soares, revelou que existem de 6 mil a 10 mil imóveis usados já disponíveis na Grande João Pessoa para financiamento dentro dessa linha de crédito enquanto em Campina Grande o número oscila de três mil a seis mil imóveis. Soares fez elogios ao novo plano do FGTS ao afirmar que há dinheiro disponível, porém, a Caixa “age com mudanças flexíveis nas regras também, porque está preocupada com a entrada cada vez mais intensa de outros agentes econômicos, como os bancos privados, no financiamento do setor de habitação. A concorrência tende a ser mais ainda acirrada com a entrada do Banco do Brasil no setor de imóveis neste ano”, frisou.
Entretanto, Rômulo Soares disse que o setor de avaliação mantido pela Caixa Econômica Federal poderá prejudicar financiamento dos trabalhadores que não possuem poupança ou recurso suficiente. “O grande entrave no ato do financiamento tem sido o setor de avaliação da Caixa, pois os preços não levam em consideração a infra-estrutura do bairro e o valor do mercado onde o imóvel está inserido. Um exemplo bem concreto que poderá acontecer com as novas regras é de um imóvel no mercado que está custando R$ 100 mil no mercado e a comissão de avaliação da Caixa rebaixa para R$ 80 mil. Muitas vezes, o trabalhador não tem recursos extras para bancar essa diferença e o negócio emperra”, informou.
O presidente do Creci-PB revela que de dez imóveis avaliados apenas dois têm avaliações semelhantes entre mercado e a comissão da Caixa. “É preciso mudar esse estigma da Comissão de Avaliação em relação ao mercado de imóveis que sempre apresenta números distorcidos”, criticou.
Dados da Caixa Econômica Federal revelam que de janeiro a abril deste ano, a Caixa já realizou 1.195 operações habitacionais na Paraíba, com liberação de recurso na ordem de R$ 58 milhões. A Caixa dispõe de R$ 200 milhões para aplicação no setor da habitação até o final do deste ano. Já o orçamento total do FGTS em 2008 será de R$ 11,64 bilhões, contra os R$ 11,2 bilhões do ano passado.
 
 
Como contratar a Carta de Crédito FGTS

 1. Informar-se sobre o produto Ir a uma agência da Caixa e conversar com o gerente. Além de tirar as dúvidas, ele informará toda a documentação necessária para solicitar o financiamento.

 2. Entregar a documentação pessoal Com base na documentação, a Caixa efetuará a Pesquisa Cadastral e a Análise da Capacidade de Pagamento. Se tudo correr bem, receberá a Carta de Crédito FGTS, válida por 15 dias.

 3. Entregar a documentação do imóvel Com a Carta de Crédito, providenciar a documentação referente ao imóvel para que sejam providenciadas as avaliações do imóvel e de risco da operação.

 4. Assinatura do contrato Se as avaliações forem bem-sucedidas, basta comparecer à agência para assinar o contrato e recolher as taxas necessárias ao processo. Os recursos serão liberados quando for apresentado, na agência, o contrato registrado em cartório.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.