Economia e Negócios

Lojas e bancos lideram ranking de notificações do Procon-JP

Do total de notificações, 239 se transformaram em autos de infração. Lojas receberam 377 notificações e os estabecelimentos bancários, 261, segundo o balanço.




O setor de Fiscalização da Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) fechou 2014 com 1.458 notificações a estabelecimentos comerciais e empresas prestadoras de serviços na Capital. Lojas e bancos foram os estabelecimentos mais acionados pelo órgão. O balanço foi divulgado nesta segunda-feira (29).

Do total de notificações, 239 se transformaram em autos de infração, que redundaram em processos que estão tramitando na Consultoria Jurídica da Secretaria.

Lojas em geral foram as que mais receberam a advertência, com 377 notificações. Bancos e financeiras aparecem em segundo, com 261; escolas, cursos e universidades tiveram 233; clínicas e planos, 88; postos de combustíveis, 38; e supermercados, 24. Foram registradas ainda 232 notificações em geral e outras 205 enviadas pelos Correios.

O total desse ano representa 225 notificações a mais do que as 1.223 registradas em 2013 . Para o secretário Helton Renê, esse acréscimo se deve a diversos fatores.“Para começar, o número de reclamações vem crescendo, o que já é consequência de uma maior conscientização do consumidor, porque aqueles que costumavam deixar as coisas para lá, hoje, estão indo atrás de seus direitos.

Também existe o fator confiança no Procon-JP. Basta observar que das 1.458 notificações, 1.219 foram resolvidas praticamente na hora da ocorrência, o que dá cerca de 83%, um índice de resolutividade muito bom. Isso, certamente, gera a confiança do consumidor”.

Ele ressalta que as operações de advertência também são muito importantes porque ‘educam’ o estabelecimento comercial e o prestador de serviço. “Nós realizamos operações em academias, no comércio da capital em vários momentos do ano, telefônicas, bancos, bares, hotéis, supermercados, planos de saúde, postos de combustíveis e escolas, além daquelas realizadas em conjunto com o Ministério Público, o Corpo de Bombeiros e Vigilância Sanitária, cujos resultados são sempre proveitosos para o consumidor”, destacou Helton Renê.

O setor de fiscalização do Procon-JP trabalha diretamente com as denúncias oriundas do consumidor, o que pode ocorrer através de ligação telefônica, no momento da compra, por exemplo, ou através de denúncia formal, na sede do órgão. ”A relação do consumo é muito vivenciada pelos fiscais do Procon, que trabalham com a emissão de três documentos: a notificação, a diligência fiscal e o auto de infração, que é o caso mais extremo, em que as negociações não prosperaram”, pontuou o secretário.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.