Economia e Negócios

Digitalizar documento tem futuro promissor

Apesar dos questionamentos acerca da autenticidade dos documentos digitalizados, o processo é uma tendência e demanda é crescente.




Você confiaria na validade de um documento emitido de forma digital, recebido por e-mail ou passado via pen drive, por exemplo? Até agora, esse tipo de material não possui valor jurídico, sendo impossibilitado seu uso para comprovar qualquer coisa em juízo.

Mesmo com o uso limitado, os documentos digitais parecem ter futuro promissor. Isso porque diversos setores no Estado, tanto na iniciativa pública quanto privada, vêm buscando os serviços de digitalização através do Gerenciamento Eletrônico de Documentos, os chamados GEDs.

Os custos para digitalização de documentos vão depender do pacote firmado entre contratada e contratador. A nível de mercado, os preços são cobrados por imagem, ou seja, por página digitalizada. Esse valor varia entre R$ 0,10 e R$ 0,20 por página. Na Paraíba existem cerca de cinco empresas que fornecem os serviços, mas muitos contratadores preferem pagar pelo treinamento de pessoal do que terceirizar uma empresa para realizar as digitalizações.

Transformar pilhas de papéis em poucos bits, essa seria a ideia central do serviço, a solução perfeita para aliar economia de dinheiro, tempo e espaço. Muitos consumidores, entretanto, vêm buscando a digitalização por conta da comodidade que esse tipo de arquivo pode fornecer, conforme explicou Daniel Falcão, diretor de tecnologia de uma das maiores empresas paraibanas a fornecer o serviço de treinamento de GED.

“Hoje existe uma grande demanda de digitalização, o meio empresarial vem se inclinando do físico para o eletrônico. Mas não são só as empresas que têm interesse, há uma demanda forte do poder público e dos políticos. Como o documento em papel não pode ficar sob posse das pessoas, muita gente procura digitalizar e ficar com uma cópia digital dos arquivos. É uma segurança que o documento não vai ser perdido”, explicou Falcão.

Mesmo com a sensação de segurança que o arquivo digital pode fornecer, não há como negar que seu principal benefício está ligado à praticidade que o gerenciamento digital pode fornecer, é o que defende Irineu Granato, gerente nacional de umas das maiores empresas de digitalização da América Latina, a Montreal Informática.

“Toda digitalização prevê uma solução de gerenciamento de conteúdo. Os arquivos ficam disponíveis para buscas inteligentes.

É mais fácil encontrar um documento por conta das buscas inteligentes e semânticas. Com uma palavra-chave você pode encontrar diversos documentos que estão digitais, os documentos não são perdidos”, exemplificou Irineu Granato.

Não é necessário ser cético para desconfiar dos arquivos eletrônicos. Em um mundo onde a alteração digital é cada vez mais comum, através de softwares de edição de imagens como Photoshop, por exemplo, a digitalização dos documentos torna-se uma preocupação para diversas pessoas. Contra isso, há a assinatura digital, certificado que pode gerar confiança e segurança na hora de criar os arquivos digitais.

A certificação age como uma impressão digital daquele documento, conforme explicou Irineu Granato, gerente nacional de uma das maiores empresas de GED da América Latina. “A assinatura digital é a garantia que o documento não vai ser alterado. Todo arquivo digital, quando finalizado, gera um código único. Qualquer alteração que se faça no documento altera esse código. Quando uma assinatura é realizada, é gerado o código daquele arquivo. Qualquer tentativa de alteração mudaria aquele código, tornando o arquivo inválido”, explicou. (Especial para o JP)


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.