Economia e Negócios

Alta no valor do preço do ouro chega às lojas de João Pessoa

Metal teve forte valorização no mercado financeiro e provocou subida no comércio.



reprodução
reprodução
Ouro valoriza e vira opção de investimento para muitas pessoas

Natália Xavier

Considerada uma das aplicações financeiras mais seguras em tempos de incertezas, o ouro já acumula alta de 15,8% no ano. De longe, o metal é a aplicação mais rentável do ano e já reflete no comércio de joias na Paraíba. Algumas lojas já eleveram em média 17% o preço de revenda do grama de ouro. O metal precioso, que em alguns estabelecimentos custava R$170 já chegou a R$200 para o consumidor final.

“Quando há um aumento na cotação do ouro, automaticamente nossos fornecedores nos repassam. Já estamos comprando com um aumento de cerca de 20% no preço e a tendência, se continuar no mesmo ritmo, é aumentar ainda mais”, disse o proprietário da Jardel Joias (loja localizada no Centro de João Pessoa), José Antônio do Nascimento.

Em outros estabelecimentos, entretanto, o preço ainda continua inalterado. “Como ainda não fizemos um novo pedido e os produtos que temos aqui estavam no nosso estoque, ainda não precisamos repassar o aumento para os consumidores. Pelo menos pelos próximos 15 dias, acredito que não precisaremos fazer reajustes aqui na loja”, garantiu o gerente de vendas da King Joias (localizada na avenida Duque de Caxias, no Centro da capital), Mário Lima.

A alta nos valores, é vista pelo educador financeiro e analista da Caixa Econômica Federal, Guilherme Baía, como uma junção de fatores e não está relacionada somente à valorização do metal no mercado de investimentos.

“Há uma relação entre o ouro vendido no mercado financeiro e o ouro comercializado em lojas, mas é uma relação fraca. Apesar da matéria-prima ser a mesma, o nível de pureza é diferente. Acredito que este aumento no valor das joias está relacionado também ao crescimento do poder aquisitivo da população. Quem antes comprava bijuterias mais caras, agora quer comprar joias em ouro e por isso a demanda cresce”, ressaltou.

Para quem pretende aproveitar o momento e investir em ouro, o educador financeiro destaca que comprar joias não é a melhor forma. “A compra do ouro em lojas de joias não pode ser considerada um investimento a curto prazo porque você não consegue manter o valor da compra quando vai revender. Para quem quer investir, o melhor caminho é procurar um banco que ofereça título em ouro”, afirmou.

Segundo Guilherme Baía, o investimento em joias feitas em ouro não é rentável porque quando se compra em uma joalheria agrega outros itens ao valor do ouro como o design da joia, as despesas do estabelecimento, além da margem de lucro do lojista. “Quem compra ouro como investimento está interessado no metal e não no design de peças”, destacou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.