Cultura

Trajetória do Cafuçu é narrada em livro virtual da Marca de Fantasia

Cafuçu: uma Sátira de Carnaval (Marca de Fantasia, 2010), e-book produzido por Henrique Magalhães que está disponível para compra no site da editora.



Divulgação
Divulgação
Capa do livro Cafuçu: uma sátia de Carnaval

Tiago Germano
Do Jornal da Paraíba

Cafuçu (substantivo masculino): tipinho atarracado, brejeiro,  mal-ajambrado. De verbete consagrado no jargão popular a um dos blocos carnavalescos mais celebrados da Paraíba, a trajetória insólita dos cafuçus de João Pessoa é, finalmente, narrada em Cafuçu: uma Sátira de Carnaval (Marca de Fantasia, 2010), e-book produzido por Henrique Magalhães que está disponível para compra no site da editora (www.marcadefantasia.com).

O livro virtual comemora os mais de 30 anos de militância do bloco na Folia de Rua pessoense, fazendo um apanhado de sua história através de um rico acervo de fotos e relatos que remontam o ano de 1990, quando um grupo de amigos reuniu-se entre as praias de Tambaú e Cabo Branco para cair no frevo com fantasias bregas e maltrapilhas.

“No início a turma era formada  por amigos ligados à universidade e aos meios artísticos. Depois a propota irreverente foi seduzindo o público e hoje o Cafuçu é o grande evento que é”, afirma o autor da obra.

Segundo Henrique Magalhães, o livro será lançado, a princípio, exclusivamente na web. “Talvez lancemos o arquivo digital também em CD, na extensão PDF, mas não em papel”, diz o também editor e fundador da Marca de Fantasia. Recentemente, a editora tem viabilizado várias publicações do gênero, que podem ser encomendadas por e-mail juntamente com álbuns de quadrinhos, outra linha de frente do catálogo da Marca de Fantasia.

“A ideia é que os quadrinhos sejam publicados em papel, que sempre foi o melhor suporte para a sua linguagem. Já os textos teóricos são publicados via e-book, atendendo à demanda de um nicho de leitores que já está habituado a usar o computador como ferramenta de leitura”, conta Henrique Magalhães.

E Cafuçu: uma Sátira de Carnaval tem um pé na teoria. Na prévia do livro, cuja amostra pode ser baixada gratuitame, o escritor vai buscar no teatrólogo Paulo Vieira e nos pesquisadores da folkcomunicação Maria Alice Amorim e Roberto Benjamim as repercussões teóricas do carnaval, esta festa de tradição pagã em que a ordem social vigente é aparentemente derrubada.

O próprio Henrique, que é professor do curso de Mídias Digitais e Comunicação Social da Universidade Federal da Paraíba,   se define como “folião inveterado” nas “trincheiras de alegria do carnaval na Paraíba” e até hoje é o responsável pela identidade visual do bloco Cafuçu. Seus principais trabalhos pousam um olhar crítico e restrospectivo à história de publicações alternativas como o fanzine.

Antenado também com as novas tendências da comunicação virtual, Henrique Magalhães lança seus dados nos e-books. “Estou apostando no futuro”, arremata.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.