Cultura

'Eu sempre passei por isso', diz Juliette Freire sobre preconceito regional dentro do BBB21

Em entrevista ao Fantástico, Juliette falou sobre o que sofreu na casa.




Foto: Reprodução/TV Globo

Juliette Freire, paraibana campeã do Big Brother Brasil 2021, foi alvo de muito preconceito dentro da casa mais vigiada do Brasil. Agora, depois de sair do programa, Juliette falou sobre o assunto em entrevista concedida ao Fantástico neste domingo (9). Muitos criticaram, dentro da casa, o seu jeito de falar, o seu jeito de conversar com as pessoas, a forma como gesticulava. Tudo era motivo de crítica contra Juliette. Fora da casa, a torcida identificou como xenofobia.

A paraibana, no entanto, não usa essa palavra para se referir aos ataques que sofreu na casa do BBB, mas deixa claro que o seu regionalismo nunca foi bem aceito. “Eu sempre passei por isso”, disse Juliette. “Quando começo a falar, quando começo a exaltar minha cultura, eu vejo uma piada, associando a burrice ou de ser menor, inferior”, conta Juliette.

No começo do programa, chegou a acreditar no que o que as pessoas estavam dizendo sobre ela, porque, confessa, estava frágil. “Mas quando eu comecei a conhecer as pessoas eu percebi que elas só estavam com medo. Algumas eu entendi, outras ainda não, mas estou tentando”, revela.

Foi em situações de preconceito, exclusão e críticas que Juliette colocou para fora a música “Deus me proteja”, de Chico César. Após cantar a canção, a música viralizou na internet e, agora, é a partir dela que Juliette quer escrever e descrever a sua história.

Juliette chora durante o programa do BBB21

Foto: Reprodução/TV Globo

No sábado (8), Juliette concedeu entrevista ao JPB2, da TV Cabo Branco, e um trecho inédito foi ao ar no Bom Dia Paraíba desta segunda-feira (10). Indagada sobre o preconceito que sofreu por ser nordestina, Juliette lembra que tinha um objetivo e se apegou nele. “Foi muito difícil, mas eu pensava muito na história que eu queria escrever ali, o que eu fui fazer ali. Eu não ia voltar sem o que eu pretendia buscar: a saúde da minha mãe, a segurança dos meus irmãos, a minha segurança”, relata.

Ela ainda lembrou do reecontro que teve com a mãe, tão lembrada dentro da casa e a quem Juliette sempre pedia que ficasse em casa por conta da pandemia da Covid-19. Ao rever a mãe, o coração já batendo na boca e o corpo pesado de saudade, Juliette sentiu alívio. “Eu só queria agradecer, foi por ela. Foi um estado de alívio e gratidão por ela estar viva”, desabafou.

 


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.