Cultura

Com seis troféus, filme Bacurau vence o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2020

Longa de Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles levou seis troféus.




Cena do filme Bacurau

No último domingo (11), aconteceu a 19ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Diferente das outras, esta edição aconteceu toda de forma virtual, devido à pandemia do coronavírus. O vencedor da noite foi o filme Bacurau, de Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. O longa recebeu ao todo, seis Troféus Grande Otelo: Melhor Longa-Metragem de Ficção, Melhor Efeito Visual, Melhor Roteiro Original, Melhor Montagem Ficção, Melhor Direção e Melhor Ator.

O Troféu Grande Otelo de Melhor Ator foi dividido entre Fabrício Boliveira, por Simonal, e Silvero Pereira, por Lunga, em Bacurau. Já Andréa Beltrão, teve seu trabalho em Hebe reconhecido, vencendo como Melhor Atriz. Outros prêmios que também ganharam destaque, foi o da atriz Fernanda Montenegro que ganhou como Melhor Atriz Coadjuvante (A Vida Invisível) e Chico Diaz como Melhor Ator Coadjuvante (Cine Holliúdy).

A Vida Invisível, filme da autora Karim Aïnouz, teve o mérito de conquistar o total de cinco estatuetas, que foram – Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e Melhor Direção de Fotografia.

No geral, o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro escolheu os favoritos em 32 categorias, com 35 filmes nacionais e 10 internacionais na disputa. A premiação contou com as participações musicais especiais, como a de Paulinho Moska, que abriu a cerimônia cantando Luzia Luluza, de Gilberto Gil. O evento, transmitido pelo YouTube, foi apresentado pelas atrizes Marina Person e Adriana Couto.

Segue abaixo a lista dos vencedores.

MELHOR LONGA-METRAGEM FICÇÃO

Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

MELHOR LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar, de Marcelo Gomes

MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL

Turma da Mônica – Laços, de Daniel Rezende

MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA

Cine Holliúdy – A Chibata Sideral, de Halder Gomes

MELHOR DIREÇÃO

Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, por Bacurau

MELHOR ATRIZ

Andréa Beltrão, como Hebe Camargo, por Hebe

MELHOR ATOR

Fabrício Boliveira, como Simonal, por Simonal

Silvero Pereira, como Lunga, por Bacurau

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Fernanda Montenegro, como Eurídice, por A Vida Invisível

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Chico Diaz, como Véi Gois, por Cine Holliúdy

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

Hélène Louvart, por A Vida Invisível

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, por Bacurau

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Murilo Hauser, Karim Aïnouz e Inés Bortagaray, baseado no livro “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha, por A Vida Invisível

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Rodrigo Martirena, por A Vida Invisível

MELHOR FIGURINO

Marina Franco, por A Vida Invisível


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.